Johnny Horton, uma vida de premonições e coincidências


A música country tem suas histórias de fantasmas e miticismo. Hank Williams foi chamado de "O Fantasma do Opry" graças a suas supostas aparições no Ryman Auditorium. Embasado nessa áurea existe algo mais cabuloso; As das premonições e coincidências da vida do Johnny Horton.

John Gale Horton (1925-1960) um cantor Country com quedas pelo Rockabilly, grande amigo do Johnny Cash, que teve seus maiores sucessos com músicas de "batalhas" como "The Battle of New Orleans", "Springtime in Alaska" e "Sink the Bismarck", viveu toda a vida adulta sob a convicção de que ele morreria jovem e violentamente pelas ações de um homem bêbado. 

O falecido cantor Merle Kilgore contou uma história de que seis meses antes da morte de Horton, ele aproximou-se da cerca que separava seus quintais levando uma guitarra. Quando Kilgore veio conversar com ele, Horton entregou-lhe a guitarra e disse: "Eu tenho a sensação que esse Ol 'John não vai estar por muito tempo aqui, e eu quero que você aceite isso"

Kilgore tentou devolver o instrumento, mas Horton se recusou em aceitar...

Em 5 de novembro de 1960, a premonição de Horton se tornou realidade. Ele tinha tocado no famoso Skyline Club em Austin, Texas, na noite anterior - ele se recusou em entrar no bar do clube, por medo de que um bêbado começasse uma briga e o matasse lá - e estava dirigindo de volta para Shreveport, Louisiana, planejando ir pescar mais tarde no dia. Com ele estava seu baixista, Tommy Tomlinson, e seu gerente e parceiro de composição Tillman Franks. Horton estava atrás do volante e em uma ponte na estrada 79 perto de Milano, no Texas, seu Cadillac foi atingido de frente por um homem bêbado em uma pickup. Franks sofreu lesões na cabeça; as pernas de Tomlinson foram gravemente fraturadas e, eventualmente, teve que ser amputado. Horton estava vivo quando foi tirado dos destroços, mas morreu no caminho para o hospital. O motorista bêbado, James Evan Davis, não ficou ferido.

Vocês já viram as listas de pessoas que gostam de coincidências fazem as semelhanças nas vidas e mortes dos presidentes Abraham Lincoln e John F. Kennedy. Curiosamente, há uma lista semelhante de coincidências nas vidas de Hank Williams e Johnny Horton.

A primeira coincidência é esta: no momento da morte Hank Williams era casado com uma linda jovem chamada Billie Jean Jones. Para ambos, eram o segundo casamento. Eles estavam casados apenas dois meses e meio quando Hank morreu num Cadillac nas primeiras horas do dia 1 de janeiro de 1953. Nove meses depois, em setembro de 1953, Billie Jean Williams casou com Johnny Horton. Era seu segundo casamento, e terminaria com sua morte sete anos depois.

No momento de sua morte, Johnny Horton estava falando do falecimento do Hank enquanto dirigia perto de Milano, Texas, onde morreria em 1960.

Ambos, Hank Williams e Johnny Horton, tocaram seus últimos shows no Skyline Club em Austin. Hank estava a caminho de seu primeiro show em um mês quando ele foi encontrado morto no banco de trás de um Cadillac; Johnny Horton estava dirigindo um Cadillac na noite de sua morte...

Pelo menos um colecionador dessas coincidências diz que tanto Williams quanto Horton beijaram Billie Jean na mesma bochecha na última vez que a viram, mas certamente isso é um pouco demais...

No álbum "The Legendary Johnny Horton" ele canta uma canção...

I just don't like this kind of livin' / I'm tired of doin' all the givin

Mais uma coincidência, pois essa música é uma de Hank Williams, cantada por um homem cuja vida tinha links curiosos para o Ol' 'Hank.

Wotson
Wotson de Assis tem 27 anos, é um mineiro em terras nordestinas, administrador, poeta, compositor e pesquisador da Country Music. Admirador-mor de artistas que elevaram a música por meio das letras, da voz e simplicidade. Fuck o Pop Country!
Tecnologia do Blogger.