Faixa a Faixa: Luke de Held comenta The Redland Son


Gravado  mixado e masterizado entre fevereiro de 2016 e abril de 2017 nos estúdios Toque Grave em Londrina/PR, "The Redland Son" contou com a produção musical conjunta de Luke de Held, Diogo Morgado e  Marco Aurélio Chiara.  O disco traz 10 canções inéditas e já está disponível em todas as plataformas digitais tendo Luke de Held e Diogo Morgado nas guitarras, violões e vocais, Sara Secco Delalo no contrabaixo e Wellington Souza (bateria) além da participação de  Luciano Leães (teclados)  Tiago Galelli (guitarra)  e  Artur Faraco (contrabaixo).


1 - DREAMS

A faixa que abre o disco é uma balada setentista que foi composta em 2013 quando do nascimento da minha primeira filha e em homenagem a ela. Fala do que é sentir a realidade do amor em plenitude e tem como referência a sonoridade de bandas como Bad Company, Eagles, Arc Angels e Storyville.

2 - JUST ME AND MY GUITAR ( Parte II )

Blues Rock estradeiro que te faz sentir vontade de subir em uma moto e pegar a estrada. A letra descreve a sensação de liberdade de tocar uma guitarra. Os timbres de guitarra vem inspirados no Hard Rock do AC/DC e no Blues Rock texano do ZZ Top.

3 - SINCE YOU'VE BEEN GONE

Um mix de Slow Blues e R&B inspirado no trabalho de Lucky Peterson e que traz os belíssimos arranjos de teclado de Luciano Leães. A letra fala do transtorno obsessivo compulsivo de quem foi abandonado pela mulher que ama e foi inspirada em uma experiência real vivida em 2009.

4 - BIG FAT MAMA

Texas Shuffle que conta com a participação de Luciano Leães e com um belo solo de guitarra de Tiago Galelli. Inspirada em Stevie Ray Vaughan, conta a história de  um homem  protegido por sua "big fat mama",  aquelas mulheres de corpo avantajado que saem para a porrada para cuidar de seu homem (algo muito comum em relação aos bluesman dos anos 30 e 40).

5 - THANK YOU LORD

Faixa acústica gravada ao vivo em único take e inspirada em Bob Dylan e Rolling Stones. A faixa fala da gratidão a Deus por renovar a esperança em dias melhores mesmo quando tudo parece perdido. Destaque para o belo trabalho de sobreposição de violões e slide guitar na parte final da canção.

6 - BROTHER WELL

Nitidamente inspirada no rock dos Rolling Stones, a é um alerta sobre os riscos da vida noturna, regada a drogas, mulheres e noites em claro. Há a citação à canção "Ten Dollar Man" contida no álbum "Tejas" de 1976 do ZZ Top. Destaque para os belos solos e riffs de guitarra da canção e para a sintonia entre o baixo de Artur Faraco e o bumbo de Welington Souza.

7 - THE REDLAND SON

Faixa título do disco inspirada em Neil Young, Tom Petty e Eric Clapton. Foi composta em homenagem ao meu filho Alamo e a letra remete ao orgulho de ser o filho de terras vermelhas do norte do Paraná, e de buscar  a "terra prometida" aqui entendida como paz interior com guitarra nas mãos. 

8 - I'LL PLAY MY BLUES

Blues acústico  que remete ao Blues rural do Mississipi gravada inteiramente ao vivo e em um único take. A faixa fala do amor ao Blues que vem de dentro da alma.  Destaque para os timbres orgânicos de violão que remetem ás varandas das cabanas do sul do Mississipi.

9 - A NEW AGE IS COMING

Blues Rock pesado inspirado em Jimi Hendrix que traz  belos timbres e riffs de guitarra. A letra fala do fim de um ciclo e de uma nova era de amor e música que se anuncia.

10 - THE BRIGHTEST STAR IN THE SKY

Faixa inspirada nas baladas de Eric Clapton da segunda metade dos anos 70 composta em parceria com Diogo Morgado em homenagem à madrinha de minha filha (Dona Luzia Orlandi mendes), que faleceu em 2015, e que traz lindos timbres de guitarra e solos  inspiradíssimos que evocam Clapton, Gilmour e Mark Knopfler. Destaque para os belos arranjos de teclado de Luciano Leães. 
Tecnologia do Blogger.