Charley Pride e os negros na Country Music


A Country Music é um gênero prontamente associado a um grupo demográfico que é o branco, rural, e do sul dos EUA. Por muito tempo, a Country Music foi considerada um gênero que figura como o mais intransigente da música. O racismo foi uma parte significativa da cultura popular americana, uma cultura em que a Country Music faz parte, quem conhece a história do sul dos EUA sabe do que eu estou falando. No entanto, durante o período de segregação racial, um artista afro-americano chamado Charley Pride se tornou uma super estrela do Country Music. Influenciado por músicos Country que nasceram na década de 30, Charley chamou a atenção de alguns produtores de Nashville e dos EUA.

A RCA (grande gravadora de Nashville) no começo achou melhor não enviar uma foto á imprensa de Charley Pride, pois eles queriam promover seu single "The Snakes Crawl at Night", e assim ludibriava os DJs e o publico para que esses pensassem que ele era branco, mas isso não agradava nada Pride. Tempos depois sua gravadora decidiu leva-lo ao lendário Ryman Auditorium para se apresentar no Grand Ole Opry. Cheio do orgulho e talento que sempre teve, ele arrancou suspiros em todos os sentidos da plateia. Nesse época ele havia se tornado popular o suficiente e a cor de sua pele já não importava para a maioria dos fãs.

Pride chegou ao topo da Hot Country Songs 29 vezes, abaixo apenas do George Strait, Conway Twitty, Merle Haggard, Ronnie Milsap e Alabama, vendeu milhões de álbuns, venceu dois Grammys, foi homenageado com o Grammy Lifetime Achievement Award em 2017, faz parte do Country Music Hall of Fame and Museum e aos 83 anos ele é uma das maiores figuras vivas do Country Music. Isso sugere que a Country Music pode ser aberta aos artistas de cor, aos poucos o cenário tende a mudar, mas ainda falta muito.

Assim como na época em que o Charley estourou, hoje é possível contar nos dedos os cantores Country negros. Antes do Charley, poucos fizeram sucesso, um deles foi o gaitista DeFord Bailey na década de 20, que chegou a aparecer no Grand Ole Opry, sendo o primeiro artista negro a se apresentar na meca do Country Music. Nos dias atuais Darius Rucker é o representante negro no mainstream e um dos nomes mais conhecidos da cena na atualidade, seus álbuns sempre estreiam no topo da Billboard e seus singles sempre ganham destaque nas rádios.

Charley, Darius e DeFord são os nomes mais famosos, mas existem outros, quase todos desconhecidos como a Rhiannon Giddens, que é um nome em ascensão, Mickey Guyton, Aaron Vance, The Pointer Sisters, Carl Ray, Scott Eversoll, Vicki Vann, Milton Patton, Miko Marks, Tony Jackson, Dwight Quick, Trini Triggs e Cleve Francis.

Que tal conhecer um pouco do som desses músicos?


Wotson
Wotson de Assis tem 27 anos, é um mineiro em terras nordestinas, administrador, poeta, compositor e pesquisador da Country Music. Admirador-mor de artistas que elevaram a música por meio das letras, da voz e simplicidade. Fuck o Pop Country!
Tecnologia do Blogger.