Buddy Guy: 81 anos de um blueseiro ensandecido


Na semana em que Buddy Guy completou 81 anos, venho humildemente através deste post enaltecer e enobrecer o trabalho e o carisma daquele que é considerado um dos últimos Bluesman ainda vivo, dando vida e alegria ao cenário Blues.

Buddy Guy, que veio da Louisiana para o mundo, mostrou através de sua voz, carisma, feeling e presença, que o Blues pode transcender gerações e ser o mais divertido possível. O Blues de Chicago respira diversão através das notas de Buddy Guy.

Sim, Buddy Guy através de sua guitarra, com solos arrebatadores, inúmeras caretas, feeling de tirar o fôlego e voz pra lá de emblemática é talvez, o blueseiro mais alegre e divertido de todos.

Não que os outros sejam chatos, muito pelo contrário mas Buddy Guy torna o Blues prazeroso até pra quem nunca ouviu Blues. E devo confessar aqui, foi através dele que surgiu inspiração para me aventurar na guitarra elétrica. Buddy Guy me passa a sensação de que basta plugar sua guitarra num amplificador, mandar a ver e se divertir.

O espírito Blues de Buddy Guy permitiu que ele nos presenteasse com inúmeras canções, muitos discos e uma inesgotável fonte de inspiração que irá dar vida ao Blues por muitos e muitos anos.

Com seus 81 anos, Buddy Guy se mostra ainda com muita lenha pra queimar, fazendo a juventude de seu espírito Blues prevalecer sobre as limitações do corpo e da idade. E ao que tudo indica, um novo disco de inéditas deve vir por aí.

É preciso enaltecer a obra de Buddy Guy, fazendo-se ouvir e ser ouvido através de seus discos ou simplesmente de covers tocados por músicos mundo afora. E discos não faltam para isso: o clássico "Damn' Right I Got The Blues", o puro rock de "Rhythm & Blues", o espírito delta que soa em "Blues Singer", a juventude de "Stone Crazy", a doce voz empregada nas canções de "Skin Deep", entre outros discos cujo qual passaria linhas e linhas rasgando elogios ao trabalho fonográfico de Buddy Guy.

Todo esse trabalho lhe rendeu muitas premiações, seu nome lapidado no Rock n' Roll Hall of Fame, título honorário de cidadão americano e incontáveis fãs mundo afora.

Destaco aqui o que escreveu Jon Pareles, um crítico de música do New York Times, sobre o estilo de Buddy Guy, lá em 2004:

Mr. Guy, 68 (agora 81), mistura anarquia, virtuosismo, Blues denso e suas vertentes de uma maneira única, prendendo a si todas as atenções da audiência (...) Guy adora extremos: mudanças repentinas entre sons pesados e leves, ou um doce solo de guitarra seguido por um surto de velocidade, ou peso, improvisando idas e vindas com a voz... Seja cantando com doçura ou raiva, seja trazendo novas entonações a uma nota de Blues, ele é um mestre da tensão e do relaxamento, e sua concentração e dedicação são hipnotizantes.

Em nome de todos os Blueseiros, agradeço à Buddy Guy por todo seu trabalho primoroso em torno do Blues e particularmente, agradeço pelo melhor show da minha vida, lá em 2012. Se você leitor, um dia tiver a oportunidade de assistir Buddy Guy, recomendo fortemente que o faça. Ouçam Buddy Guy sempre, seu som não possui contra-indicações e faz bem ao espírito.

Que nosso mestre viva por mais bons anos com muita saúde, luz, energia, muito Blues e nos alegre com seu espírito tão enaltecido na canção 74 Years Young. Obrigado Buddy Guy! 


Dil Genova tem 28 anos, mora em São Paulo, é um rockeiro, blueseiro, cervejeiro e Engenheiro de Software em tempo integral. Fã de Blackberry Smoke, Allman Brothers Band e Lynyrd Skynyrd, Dil escreverá sobre Blues e Rock aqui no Southern Rock Brasil sempre que puder.
Tecnologia do Blogger.