Reflexões de um One Man Band - Se eu te contrato, logo sou seu dono, "os senhores de engenho da arte"


Uma das coisas típicas de um "senhor de engenho" caso ela seja inteligente é o período de análise, são conversas vaidosas de cunho analítico para saber quais são suas ambições, até que ponto você está disposto a fazer concessões para obter o que tanto deseja. A primeiro momento a pauta é dele, o assunto gira em torno do portfólio dele, grandes shows nacionais e internacionais, peças de teatro em fim, todos os eventos incríveis que ele realizou.

Se você se impressionou ele passa para o segundo passo que é envolve-lo em seus futuros planos, então ele faz suposições mostrando como seria bom para sua carreira se você dividisse o palco com aquele artista que está no topo, que está a duzentos anos luz a sua frente e como uma aranha ele vai te envolvendo em sua teia como se você fosse uma pequena e ingênua mosquinha.

O terceiro passo é contrata-lo para um pequeno show desses de apresentação, coisa básica que geralmente é acertado pela metade do valor já que é apenas meia hora de show. Então você chega no evento e a coisa começa a mudar, você percebe que o contratante não está lá para recebe-lo e quando ele aparece, aparenta estar muito ocupado resolvendo um pepino muito brabo pelo telefone com uma cara não muito boa.

Então, quando ele já tem material o suficiente para tentar subjuga-lo ele dirá coisas do tipo, graduando das piores para as melhores hipóteses.

  1. Seu show é péssimo e você precisa de um cara como eu para ajuda-lo senão você não chegará a lugar algum;
  2. Você ainda não tem maturidade artística necessária para que os planos que a gente fez dias atrás aconteçam;
  3. Você tem talento mas precisa ser lapidado, essa é a mais usada de todas.
Tudo em um tom que aparenta uma mistura de desinteresse da parte dele e sinceridade construtiva, gente que fala na sua cara verdades que ela só aguentaria até a terceira linha. Se você mostrar que está disposto a se submeter, dali em diante ele te tratará como um vassalo, pois se você se submeteu a tudo até ali é porque está disposto a encarar as humilhações e contratações com valores irrisórios, serviços braçais ou até coisa pior, tudo para conquistar seu tão sonhado objetivo de ser um artista de sucesso.

Do contrário que muitos artistas pensam, falar sobre isso é algo muito importante, é o tipo de atitude que produtores sérios costumam agradecer, pois mostrar que você não está disposto a perder sua dignidade para realizar seus sonhos profissionais é o mínimo a se fazer. Vez por outra eu faço postagens irônicas falando sobre gente que dá calote em músico, gente que te convida para se apresentar em troca da tal divulgação e vejo que a maioria dos colegas de trabalho se calam, quando comentam, por medo apagam seus comentários, é sinal de que a maioria dos artistas têm medo de perder uma oportunidade caso expresse sua opinião.

É muito imaturo pensar que de oportunidades ruins podem surgir coisas boas, é muito covardia não mostrar o que pensa com medo de ficar queimado. Produtores que fazem o tipo "senhores de engenho" não são a maioria, mas o grande problema é que o nosso silêncio faz com que o ruído produzido por gente desse tipo pinte a cara da cena nacional. Aí, não dá para se ofender quando alguém te perguntar se todos esses escândalos que estamos vendo na mídia é normal, é coisa corriqueira de quem é artista.

As pessoas do meio artístico que fazem coisas das quais nós nos envergonhamos não são demônios e sim gente como eu e você, que um dia tiveram grandes aspirações, mas que perderam a fé no meio do caminho e resolveram seguir de um jeito não tão digno assim, aceitando a oferta do diabo, dizendo sim ao pacto. (falarei sobre isso no próximo artigo)

As suas ilusões acabam abrindo as portas para a existência dos senhores de engenho:

  1. Gente que acredita tanto na tal “providencia divina” que fica paralisado, não faz nada por si mesmo e se estagna, fica reclamando da sua condição, que ninguém o ajuda, que é culpa do governo, que sua música é discriminada, os encostados;
  2. Gente que acredita na tal teoria que todas as pessoas estão conectadas por apenas quatro laços de amizade e que isso é sinônimo de que podemos obter nossos objetivos em três semanas quando na verdade ás vezes pode levar até três décadas;
  3. Gente que acredita em fórmulas mágicas, sete passos para ser um artista rico e de sucesso.
Digo isso caro leitor para levar você a seguinte reflexão, será que o seu silêncio não é o maior responsável pelas experiências negativas? Será que não deve partir de nós a postura de não se submeter a tais situações?

Ari Frello
Ari Frello é guitarrista, violonista, gaitista, cantor, compositor, produtor musical e professor de música. Está na estrada desde 2008 e se tornou conhecido por seu trabalho como "One Man Band". Já lançou três álbuns autorais e já trabalha no próximo.
Tecnologia do Blogger.