Reflexões de um One Man Band - Caminhos do Blues


Os caminhos do Blues nem sempre são plausíveis, vez por outra sempre tem quem me pergunte porque eu decidi ir embora de Criciúma. Parece algo inaceitável, que até hoje a maioria das pessoas não conseguem entender o que eu ganhei fazendo isso, como foi enriquecedor para mim procurar seguir um novo caminho, recomeçar em um outro lugar.

Como tudo começou

Toda atitude na vida precisa ter um algo que poderíamos chamar de "estalo" e eu poderia dizer que o estalo para me mudar de Criciúma foi um inofensivo show, um daqueles de meio de semana, que aparentemente parece que tudo iria correr dentro dos conformes.

Lá estava eu, arrumando minhas coisas para ir para casa depois de um show guitarra e voz que correu tudo bem, lembro até hoje das palavras da contratante.

Fiz um semblante de indagação ao receber uma nota de cinquenta e outra de vinte reais e então ela disse olhando para mim enquanto segurava o dinheiro de um lado e eu do outro.

- O que você quer?
- Eu quero receber o que foi combinado, quero seguir com o meu trabalho, ganhar meu dinheiro, o justo. E ela me respondeu com em tom de rizo.
- Aqui você não vai conseguir, é só para tirar uma onda.

O pior de tudo é que no fundo ela estava certa e em poucos segundos eu relembrei de todas as bandas que passaram por ali, que tocaram por bebidas, que a cercavam e a bajulavam a todo momento para mais uma oportunidade de show.

O estalo

Foi neste exato momento que eu descobri que precisava ir embora dali. Sim, eu relutei por algum tempo, mas aos poucos a ideia de procurar um novo lugar para fazer o Blues só foi se fortalecendo dentro de mim.

Elucidações

Se você é de cidade do interior e chegou até essa parte do artigo não se frustre, não tome como verdade sua o que aconteceu comigo, até porque você é outra pessoa o seu caso pode ter um desfecho diferente do meu.

Verdades e méritos

A cena artística local movimenta sim uma economia que não é creditada a eles. Baixos cachês, casas cheias e que só ficam assim graças aos amigos da banda, graças aos desbravadores que cativam um público que anteriormente não existia.

E se todo mundo resolvesse arrumar bons empregos, será que o entusiasmo em tocar por baixos cachês permaneceria? E se a sua esposa resolvesse ter um ou dois filhos, como ficaria a sua disposição?

Quem sabe, alguém além de você pode sair perdendo caso desista do que te dá tanto prazer, pois todo mundo que tem mais de 15 anos sabe que no fim das contas, há algo mais importante que o prazer, o dinheiro, na verdade, prazer é uma das coisas mais caras da vida. Alguém irá perder dinheiro pois ninguém vive com banda de fora que custa mais caro devido ao translado.

Um artigo que certamente trará muitas discussões, mas o meu intuito sempre é ajudar, e espero que ajude.

Ari Frello
Ari Frello é guitarrista, violonista, gaitista, cantor, compositor, produtor musical e professor de música. Está na estrada desde 2008 e se tornou conhecido por seu trabalho como "One Man Band". Já lançou três álbuns autorais e já trabalha no próximo.
Tecnologia do Blogger.