Reflexões de um One Man Band - O Blues na terra do funk


Brasil, uma terra multicultural, com seus próprios contos, ritmos, lendas, uma terra de transpira arte de norte a sul será que existe espaço para o Blues na terra do funk?

Esteriótipos

Eu diria a você caro leitor, que para os que julgam os outros pela sua simplicidade, certamente não há espaço para nada que possa ser musicalmente bom no Brasil. Há quem defenda que a identidade musical do Brasil morreu nos anos 60. Provavelmente para eles levar o Blues na terra do funk é como acender um fósforo dentro de um copo cheio d’água.

Dias inesquecíveis

As experiências mais incríveis que adquiri ao longo destes anos foram em apresentações ao ar livre, para pessoas que não faziam o tipo intelectual, demostrando sua satisfação a ouvir um som que apenas soou bem aos seus ouvidos.

Então, daqui eu posso abrir para vocês que na minha opinião, as dificuldades atuais quando o assunto é levar o Blues na terra do funk não é culpa do povo, nem do funk, nem no pagode, nem do sertanejo e eu faço questão de listar aqui alguns motivos pelos quais o Blues aparentemente tem acontecido menos por aqui.
  1. Os editais diminuíram drasticamente, pois após os grandes escândalos envolvendo os artistas de renomados, este tipo de prática denota um certo marketing negativo;
  2. Depois destes turbilhões de corrupção nos deparamos com muitas cidades em estado de falência administrativa;
  3. A criminalidade cresceu absurdamente, tornando assim os eventos reféns dos estabelecimentos fechados.
Hoje, analisando minha trajetória percebo que tenho uma relação muito pessoal quando o assunto é sobrepor obstáculos.
  1. Um neto de candomblecista que bebeu da cultura afro no meio de gente de bem;
  2. Que posteriormente quis conhecer mais sobre a espiritualidade numa igreja cristã e lá se aprofundou na música, mas teve sua origem subjugada;
  3. Que anos depois resolveu seguir uma carreira artística e teve sua legitimidade questionada por ser um "crente" e por outro lado foi excomungado pelos cristãos.

Experiência Pessoal

São coisas como essas que criaram em mim uma relação bastante pessoal sobre as dificuldades do dia a dia, sempre fui questionado e isso é algo que normalmente acompanha a vida de todos, uns mais outros menos. É o que eu sempre digo, só não vira assunto que cruza os braços, faça por você e fique pronto para enfrentar novos opositores sempre.

Quem faz a cena acontecer de fato

Eu poderia dizer que defender o Blues na terra do funk tem como dificuldade inicial a desunião e que, se o Blues ainda resiste é graças aos desbravadores que com brilho nos olhos cativam a todos para ir em seus shows, que criam uma cena e são apunhalados pelas costas quando um artista de fora aparece e usufrui do público que ele criou, que na maioria das vezes sequer é convidado. Sim, para os desbravadores difundir o Blues na terra do funk é uma coisa muito ingrata.

"Se você não se sente representado não é da sua conta", ouvi um grande pensador falar essa frase e realmente ele está certo. O funk é um estilo de música na qual certo tipo de pessoas se sentem representadas e até estas na maioria dos casos, não  gostam das melodias dos famosos proibidões, que fazem apologia à pornografia, baixarias e violência.

E para você, é possível difundir o Blues na terra do funk?

Ari Frello
Ari Frello é guitarrista, violonista, gaitista, cantor, compositor, produtor musical e professor de música. Está na estrada desde 2008 e se tornou conhecido por seu trabalho como "One Man Band". Já lançou três álbuns autorais e já trabalha no próximo.
Tecnologia do Blogger.