Escutem a coletânea American Epic: The Sessions


Alguns projetos já nascem de ideias geniais. É o caso de American Epic: The Sessions, que brota de uma ideia incrível de regravar canções bem antigas da tradição popular da música americana, inclusive com equipamentos antigos – e com apenas um microfone -, os mesmos que eram usados pelos caçadores de canções populares que iram em busca de tesouros perdidos para os gravarem no meio do nada. Dessa forma, American Epic é um disco duplo (também é um documentário) de trinta e duas músicas que abrange uma variedade incrível de estilos: grande parte está dividida entre o blues e o country, mas também tem outros estios que chegaram a ter algum tipo de sincretismo com a música popular americana, inclusive a latina.

A maioria das músicas é da era pré-indústria cultural, da produção e comercialização em massa. E quem está no disco? A lista dá uma sensação de cosmopolitismo bem forte ao disco: de nomes como Jack White, Beck, Elton John, Willie Nelson, Stephen Stills, e Alabama Shakes, passando por Taj Mahal, Rhiannon Giddens, Pokey LaFarge, passando para o hip hip de Nas, a música latina de Los Lobos, dentre muitos outros. Não importa se você já conhece o artista ou não, os equipamentos utilizados na gravação dá a sensação de viagem ao tempo. "Killer Diller Blues", por exemplo, gravado por Alabama Shakes, dá a impressão de que estamos ouvindo alguma gravação de Bessie Smith ou algo do tipo. Ou seja, são artistas bem contemporâneos, mas que soam exatamente como soariam se tivesse sido gravados há quase cem anos. 

Sem dúvida, um dos grandes destaques é a participação de Elton John que grava a única faixa original para o disco, "2 Fingers of Whiskey", com Bernie Taupin e Nas, gravado junto com Jack White (que também grava outras duas faixas, "Matrimonial Intentions" e "Mama's Angil Child"). A participação de Beck, "Fourteen Rivers, Fourteen Floods" também fica bem interessante com a participação muito intensa de um grupo de cantoras acompanhando. Bettye Lavette fica com "Nobody's Dirty Business", Pokey LaFarge fica responsável por uma versão interessante de "St. Louis Blues", enquanto Taj Mahal toca "High Water Everywhere Pt. II". "If the River was Whiskey", gravada por Frank Fairfield e a clássica de Robert Johnson "Come On In My Kitchen", gravada aqui por Stephen Stills também merecem destaque. Willie Nelson, em companhia de Merle Haggard, ficam com "The Only Man Wider than Me" e "Old Fashioned Love", levando pro lado do Country, claro.

Com uma variedade tão grande de estilos e artistas, é difícil o projeto todo manter um nível contínuo de qualidade. Mas isso não tira o brilho do trabalho, pelo contrário, mostra o quão abrangente é a influência dessa música popular pré-industrial para a música americana.  E é exatamente por isso que "American Epic: The Sessions" é um riquíssimo registro histórico. Definitivamente, vale a pena dar uma conferida, cada um com certeza vai ter algo em algum lugar aqui que irá lhe agradar, dependendo do gosto, da relação pessoal e da trajetória pessoal com cada estilo musical que gosta.

Tecnologia do Blogger.