Escutem Sonny & Brownie's Last Train do Guy Davis


Guy Davis está entre os mais renomados cantores do Blues da nova geração que surgiu para dar um novo fôlego ao gênero a partir da década de 90. Cantor versátil e bastante produtivo, Guy Davis conta com um respeitável catálogo, que abrange desde clássicos recentes, como "You Don't Know My Mind", de 1998, e "Butt Naked Free", de 2000, até álbuns puramente conceituais, como o interessante "The Adventures of Fishy Waters", de 2012. Para o seu novo projeto, Davis se juntou com o gaitista italiano Fabrizio Poggi, que tem também uma carreira tão longa quando a de Davis, no entanto não dispõe de tanta inserção no cenário mundial.

Nesse projeto colaborativo, a dupla decide homenagear aqueles que provavelmente são a dupla mais lendária de toda a história do Blues: Sonny Terry (1911-1986) e Brownie McGhee (1915-1996). Os dois se completavam de tal modo, Sonny na gaita e com seus "woooh" inconfundíveis, e Brownie com sua voz profunda e inabalável e a seu dedilhado no violão. Essa dupla fez um dos sons mais incríveis do século XX, levando o Blues rural e inclusive as técnicas do Blues a novos patamares. Pois bem, é para homenagear esses dois grandes cantores da história do Blues que juntou Guy Davis e Fabrizio Poggi no projeto intitulado Sonny & Brownie's Last Train: A Look Back At Brownie McGhee and Sonny Terry, lançado esse no final de março. Ambos foram profundamente influenciados pelo estilo de gaita chamado Piedmont, do qual Sonny e Brownie foram precursores. 

Qualquer álbum que tem como intuito ser um tributo tem de enfrentar necessariamente dois dilemas: o primeiro se trata da escolha das faixas. O segundo dilema é como essas músicas vão ser executadas; se respeitando as versões originais ou reinventando-as e dando novas roupagens. Não existe uma fórmula pronta para álbuns assim, uns funcionam utilizando a primeira forma e outros funcionam melhor com a segunda abordagem. 

No primeiro quesito, "Sonny & Brownie's Last Train" é impecável. Sem dúvida, alcança as músicas mais famosas tocadas por Sonny e Brownie. É impossível ouvir em qualquer lugar faixas como "Louise, Louise", "Hooray, These Women is Killing Me", "Walk On", por exemplo, e não lembrar deles. Todas estão lá, tocadas de forma emocionante. A gaita de Fabrizio dá acompanhamento incessante a todas as músicas, com texturas e técnicas sensacionais. Sonny ficaria orgulhoso.

Junto com as clássicas da dupla, estão lá também versões de tradicionais do Blues, que Sonny e Brownie também tocaram, como o hino "Take This Hammer", e a icônica "Midnight Special", ambas de uma das suas maiores inspirações, Ledbelly, e "Goin' Down Slow" e "Baby, Please Don't Go to New Orleans", que qualquer Bluesman que se preze em algum momento de sua carreira vai tocar essas músicas. Ainda sobre espaço para um música original de Guy Davis. A faixa que dá abertura ao disco é a original e Guy, "Sonny & Brownie's Last Train", que dá uma narração quase mítica à história de Sonny e Brownie, inclusive cheia dos whoops característicos de suas músicas. No final dessa faixa, uma mensagem de Guy e Fabrizio para a dupla: "Goodbye Sonny, Goodbye Brownie. See you on the other side"

Bem, no caso de "Sonny & Brownie's Last Train", ouso dizer que só dá tão certo porque Guy Davis e Fabrizio Poggi gravam essas músicas de forma primitiva, crua, e, portanto, poderosa, da mesma forma que Sonny e Brownie fizeram no seu tempo. Até porque, segundo o próprio Guy, Brownie e Terry foram dois músicos cujo trabalho nunca será superado, muito menos melhorado". Guy encarna o papel de Brownie, enquanto Fabrizio se encarrega de representar a gaita de Sonny, o que não é uma tarefa nada fácil. O resultado do trabalho de Fabrizio sem dúvida é um dos pontos mais fortes do disco. 

Pois bem, estamos em 2017. Nada mais vai alcançar a genialidade das gravações de Sonny Terry e Brownie McGhee do que esse projeto de Guy Davis e Fabrizio Poggi. O fato de ser um tributo sincero faz com que o álbum atinja todos os seus objetivos. É um álbum honesto, empolgante, histórico e apaixonante.


André Espínola é formado em História pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB, e um grande apaixonado pelo Blues, Jazz, Folk e Rock. É editor do blog O Filho do Blues, onde escreve sobre as novidades e novos lançamentos.
Tecnologia do Blogger.