Clássicos do Blues - Mean Old World


Publicado originalmente no The Blues Never Die

Outra grande pérola produzida pelo fantástico T.Bone Walker. Há versões desta canção em que T.Bone a inicia com um dedilhado, posteriormente copiado por outros guitarristas. Curiosamente, a versão de "Society Woman" com Otis Rush teve sua introdução com o mesmíssimo dedilhado de Walker em "Mean Old World". Buddy Guy também homenageou a lenda da guitarra, usando o arpejo mencionado, na faixa "Dedication to the Late T.Bone Walker", presente em seu álbum "DJ Play My Blues".

Vários artistas do Blues, em diferentes momentos, reverenciaram o grande T.Bone Walker, naturalmente, especialmente porque T.Bone deixou uma escola, sobretudo aos guitarristas de Blues. Seus arpejos tornaram-se um padrão para os músicos, em especial, para os guitarristas do gênero. É importante acrescentar que os doze compassos característicos do estilo, com seus turnarounds do décimo primeiro compasso ao décimo segundo se devem a contribuições da lenda Robert Johnson e T.Bone Walker.


"Mean Old World", assim como outros clássicos do estilo, narra uma "enorme dor de cotovelo", daquelas de deixar o sujeito arriado sobre a mesa do bar. Os versos abaixo a descrevem assim:
"When you can't get the woman you love, you know she's loving someone else
Well, I drink to keep from worrying and I smile to keep from crying"
"Quando você não pode obter a mulher que você ama, você sabe que ela ama outra pessoa
Eu bebo para não me preocupar, e sorrio para não chorar"

A angústia do interlocutor é tão grande diante da impossibilidade de não viver ao lado de sua amada, que ele vê a morte como uma solução para a sua desventura. O trecho a seguir descreve essa angústia:

"Some day, some day, darling, I'll be six feet in my grave
And, I won't be around here to be mistreated, darling, like a low-down slave
"Algum dia, algum dia, querida, estarei a seis palmos abaixo da terra
E não estarei mais aqui para ser maltratado assim como um escravo"

O quadro fornecido pela música é claro: o mundo não é nada agradável para quem não pode ter ao seu lado a mulher amada. É verdade que o tom pessimista e trágico da canção é um tanto exagerado por parte do interlocutor, mas não raro, é assim que os apaixonados muitas vezes veem o mundo: um lugar inóspito para quem não pode realizar seus sonhos. E o exagero ostentado nas desventuras do amor amiúde faz parte da ampla temática encontrada no Blues.

Publicado originalmente no The Blues Never Die
Tecnologia do Blogger.