Cancelamento do Muddy Roots Brasil: minha opinião


Quem me conhece, pessoalmente ou pelas redes sociais, sabe que não costumo me isentar de quase nada, não gosto de ficar em cima do muro, gosto de me posicionar. Hoje venho me posicionar sobre o cancelamento do Muddy Roots Brasil 2016.

É lógico que eu fiquei muito chateado com o cancelamento do festival, me programei para essa viagem, criei muitas expectativas, não só pelos shows, mas principalmente pela oportunidade de conhecer pessoas que mantenho contato a anos pelas redes sociais, me frustrei e tive que rever todos os meus planos. Mas não quero falar da minha frustração pessoal, que escrever sobre o impacto negativo desse cancelamento.

Como já disse na postagem "Desculpe o transtorno, precisamos falar da 'cena' Country no Brasil", não existe uma "cena" Country no Brasil e tinha a esperança de que o Muddy Roots Brasil se tornasse um marco para o surgimento de uma "cena", mas após o cancelamento, percebi que estamos mais longe disso do que eu imaginava.

O festival estava sendo organizado por pessoas que, teoricamente, acreditam no potencial da "cena" nacional, não só por gostarem dos estilos, mas por viverem seu dia a dia e conhecerem seus problemas. Entendo que deve ter sido frustrante não poder contar com as três bandas gringas (Bob Wayne, Urban Pioneers e Freeborn Brothers), mas não vejo motivos para o cancelamento do evento.

Me desculpem a sinceridade, mas tirando o Bob Wayne, prefiro as bandas nacionais do que Urban Pioneers e Freeborn Brothers. Them Old Crap, Condado Caramujo, Mary Lee & The B-Side Brothers, Red Lights Gang, Tiregrito, Hellgrass e Dotô Tonho, essas são algumas das bandas que iriam tocar no festival, todas nacionais e com material autoral lançado. Para mim, as bandas citadas estão entre as melhores do país, são referência nos estilos que tocam e poderiam ter levado o festival adiante.

Algumas pessoas iriam reclamar? Sim, mas é fácil resolver esse problema, basta devolver o dinheiro que a pessoa gastou com o ingresso. Tenho a absoluta certeza que a maioria dos fãs não estavam indo só pelas três bandas gringas, elas queriam conversar com pessoas que compartilham dos mesmos gostos musicais, fugir da loucura do cotidiano, ouvir boa música, prestigiar as bandas nacionais e beber um pouco, elas queriam celebrar essa cultura que tanto amam.

Faltou confiança nas bandas nacionais, elas foram rebaixadas a coadjuvantes em um festival que prometia ser horizontal (sem diferenciação hierárquica), e conhecimento do público que iria no evento, a organização poderia ter perguntado a nossa opinião antes de tomar uma decisão, somos poucos, não seria algo impossível de ser feito.

Com o cancelamento do Muddy Roots Brasil 2016, os produtores perderam a oportunidade de criar algo mais sólido e passaram uma mensagem bem clara para nossos músicos: vocês são capazes de bancar um evento, precisamos de gringos para que tudo seja um sucesso. Sei que essa não foi a intenção, mas é o que muitos entenderam.

Agora nos resta esperar que tudo dê certo em 2017.
Tecnologia do Blogger.