Willie Nelson e seu famoso violão: A história do Trigger


Se você é um fã do Willie Nelson, é impossível não saber o que é o Trigger. Mas você sabe qual a história do lendário violão?

A história começou em 1969, mais precisamente durante um show no Floore's Country Store em Helotes, Texas, quando um bêbado pisou no finado violão Baldwin do Willie Nelson. David Zettner e Day Jimmy, músicos da banda do Willie, levaram o violão para o luthier Shot Jackson em Nashville, Tennessee. Jackson disse que os danos eram irreparáveis e ofereceu um Martin N-20, com cordas de nylon e feito de jacarandá, que atualmente só é encontrada no sul da Bahia. Willie aceitou a oferta e comprou o Martin N-20 por 750 dólares, talvez um dos melhores investimentos da história da música.

O Willie Nelson sempre teve um sonho: conseguir um violão que soasse como o de Django Reinhardt e conseguiu alcançar o som ideal com o Trigger. "A sonoridade de Trigger me soa semelhante ao som que Django Reinhardt tirava do seu instrumento, e Django sempre foi o meu guitarrista favorito", disse Nelson.


O Trigger tem o mesmo nome do, também lendário, cavalo do Roy Rogers, cantor e ator que fez muito sucesso nos anos 1950. Perguntado sobre o nome, Nelson disse o seguinte: "Batizei com o mesmo nome porque esse violão é o meu cavalo".

Trigger foi utilizado pela primeira vez em estúdio nas gravações do álbum "My Own Peculiar Way" em 1969. Nos 47 anos que se seguiram, Trigger definiu o som do Willie Nelson e esteve presente em todos os clássicos que foram lançados pelo Willie, incluindo "Shotgun Willie" (1973), "Red Headed Stranger" (1975) e "Stardust" (1978). Mas o Trigger não é famoso apenas pela sua sonoridade, ele tem muitas histórias interessantes. 

Em 1991, durante um processo de investigação da Internal Revenue Service (IRS, a Receita Federal dos americanos), Willie estava preocupado que Trigger pudesse ser apreendido e leiloado. Foi nessa época que ele disse a famosa frase "quando Trigger se for, eu vou parar". Quanto Trigger vale? O Willie não quis arriscar, pediu para sua filha Lana esconder o violão na casa do seu empresário até a divida ser paga, o que aconteceu em 1993.

Para um violão com 47 anos de uso, Trigger até está bem cuidado. A sua aparência desgastada é fruto de muitos shows ao longo das décadas e da forma como o Willie toca. Para manter o violão com sua lendária sonoridade, o técnico "Tunin' Tom" Hawkins prepara o violão antes de todos os shows do Willie.


Um show só começa quando o músico entra no palco, mas não é o que acontece nos shows do Willie Nelson. Antes do Willie subir ao palco, há uma comoção na platéia quando o técnico "Tunin' Tom" Hawkins traz o Trigger. É um ritual, ele pega o violão, coloca um suporte no centro do palco e deixa Trigger exposto por vários minutos. Esse é o poder do Trigger.

A revista Rolling Stone produziu um documentário sobre o Trigger e vocês podem assistir ele no Youtube.

Tecnologia do Blogger.