Chuck Berry, lenda viva do rock, completa 90 anos


Stevie Wonder foi claro: "Há apenas um verdadeiro Rei do Rock n' Roll. Ele se chama Chuck Berry." E embora essa declaração crie bolhas nos fãs do 'King' Elvis Presley, o fato é que a influência deste músico afro americano no Rock dos anos 50, 60 e 70 é imensurável.

Então, quando na próxima terça-feira, 18 de outubro de 2016, Chuck Berry completar 90 anos de idade, muitos companheiros certamente irão lhe desejat saúde. É difícil pensar em bandas como os Beatles, os Rolling Stones, os Beach Boys ou mesmo Bob Dylan sem Chuck Berry.

Considerado um dos melhores compositores e guitarristas de seu tempo, a influência deste pioneiro tanto no Rocke outros gêneros ainda prevalece. Talvez Elvis era o ícone e símbolo sexual do gênero, mas Berry incorporava sua mentalidade em suas composições.

Charles Edward Anderson Berry, conhecido simplesmente como Chuck, cresceu no seio de uma grande família. Ele rapidamente desenvolveu um gosto pela poesia e Blues. Ele aceitava tocar em qualquer lugar, às vezes em troca de 15 doláres e, gradualmente, criou uma fama entre os clubes de St. Louis (Missouri).

Entre as suas referências, podemos citar Nat King Cole e seu ídolo, Muddy Waters, que depois de uma conversa Chicago Berry, convenceu Berry a assinar um contrato a gravadora Chess.

O sucesso veio rapidamente em 1955 com os hits"Maybellene" e "Wee Wee Hours". Em 1956, foi a vez de "Roll Over Beethoven". Um ano depois, ele lançou "Day School" e "Rock and Roll Music", e em 1958, veio "Sweet Little Sixteen" e seu maior hit, "Johnny B. Goode" (Johnny B. Goode é a faixa mais conhecida do Berry, mas "My Ding-a-Ling", lançada em 1972, foi a única a alcançar o topo da Billboard Hot 100).

Os adolescentes e músicos hillbilly do sul gostavam do estilo de Berry, e Elvis, então pouco conhecido, reconheceu o seu potencial e incluiu uma versão de "Maybellene" de Berry em seu repertório.

Além de sua guitarra furiosa, Berry fez do 'duckwalk' sua marca registrada. Segundo a lenda, esses passos de pato nasceram da necessidade: a banda tinha sido incapaz de mudar de roupa antes de iniciar um de seus shows, então Berry, sempre consciente da importância do estilo, apareceu no palco com um traje, fez uma bagunça e decidiu andar como um pato para desviar a atenção das vergonhosas rugas em suas roupas.


Enquanto no negócio da música Berry conseguiu ascender ao topo, na vida privada teve muitos altos e baixos. Ainda adolescente, ele teve de passar vários anos em um reformatório e em 1961 foi preso novamente, desta vez por um ano e meio por levar de um estado para outro uma menina de 14 anos.

A descoberta de drogas e filmes pornográficos filmados com crianças em suas casas, além de evasão fiscal, também fizeram ele enfrentar a justiça. Além disso, aparentemente, ele filmou mulheres no banheiro de um restaurante que ele comprou em 1989.

No entanto, um olhar retrospectivo na sua carreira musical, estes episódios infelizes nublaram relativamente sua figura. O Grammy Lifetime Achievement Award em 1984, a entrada para o Rock and Roll Hall of Fame em 1986 e diversos outros prêmios que recebeu ao longo de sua carreira, mostram que Berry foi e continua sendo um dos grandes nomes da música.

A música dos Beatles aos Stones, que em suas composições reinventaram o estilo de Berry, faz parte de seu legado. Talvez, justamente por isso, quem melhor resumiu a impressão artística de Berry foi o beatle John Lennon: "Se tentassem dar outro nome ao rock and roll, podiam chamar-lhe 'Chuck Berry'".

Este conteúdo foi publicado originalmente pelo El Comercio.
Tecnologia do Blogger.