Melhores álbuns que escutei no primeiro semestre de 2016


Seis meses se passaram e chegou a hora de fazer uma lista com os melhores álbuns que escutei no primeiro semestre de 2016. Nesse período escutei no minimo 300 álbuns e só 30 apareceram nessa lista. Admito que a lista é bem enxuta e sei que estou deixando grandes álbuns de fora, mas quem quiser explorar melhor esse meu louco gosto musical, leiam o conteúdo da tag Best of Month, lá vocês encontrarão mais 127.

Assim como tudo nesse site, essa lista é composta por álbuns de Southern Rock, Blues, Country e Bluegrass, que são os estilos que nos comprometemos a divulgar. Confiram a lista e falem seus álbuns preferidos nos comentários.

ESCUTEM A PLAYLIST "AS MELHORES MÚSICAS DE 2016"


Ana Popovic - Trilogy (Blues)

"Trilogy" é, sem dúvidas, o trabalho mais ambicioso já lançado pela Ana Popovic. O álbum é dividido em três partes, contém 23 faixas e faz uma mescla entre o Blues, Jazz e Funk. O primeiro álbum é focado no R&B, o segundo no Blues e o terceiro no Jazz.

Mulheres cantando e tocando Blues não é uma novidade, muito menos uma raridade, mas é difícil encontrar mulheres que se destacam cantando e tocando guitarra. A Ana Popovic faz parte desse seleto grupo de mulheres, que tem como destaques Bonnie Raitt e Susan Tedeschi.

Austin Lucas - Between the Moon & the Midwest (Country)

O Austin Lucas foi um dos grandes responsáveis por me fazer viciar em Country Music de forma definitiva. Acompanho ele desde o maravilhoso "Stay Reckless" e sempre me empolgo demais quando ele lança qualquer coisa. "Between the Moon & the Midwest" é o sexto álbum dele e segue a mesma linha dos seus antecessores, é Country tradicional, fala muito das experiências pessoais do Austin e da sua religiosidade.

Caleb Caudle - Carolina Ghost (Americana)

O Caleb Caudle segue a linha do que hoje chamamos de Americana, que é a mistura de vários estilos musicais de raiz, uma união das origens musicais americanas, o ethos da música daquele país. Os músicos desse estilo sempre são influenciados mais por algum gênero, que no caso do Caleb, é o Country. Além da parte instrumental, que é perfeita, o álbum se destaca muito pelas composições e pela performance vocal do Caleb.

Carter Sampson - Wilder Side (Country)

"Wilder Side" não é o álbum de estreia da Carter Sampson, é seu quarto lançamento, mas o primeiro desde 2011. Esses 5 anos de hiato serviram para lapidar o talento da cantora, dona de uma das mais belas vozes da Country music atual. Peguem qualquer faixa de seu álbum anterior, "Mockingbird Sing", e percebam a evolução no vocal dela, mudou da água para o vinho.

Hoje em dia é difícil cravar qual a melhor vocalista da Country Music, elas estão inundando o mercado e encantando o público com suas músicas tradicionais, mostrando que mulheres podem ser reconhecidas não só pela beleza, mas pela capacidade de encantar e cativar as pessoas com suas composições e vozes. A Carter Sampson é mais uma que entra para uma extensa lista de grandes vocalistas da atualidade.

Cody Sparks Band - Sinners and the Saved (Country)

Assim como a banda citada anteriormente, a Cody Sparks Band é do Texas e está fazendo sua estreia na Country Music, a diferença é que essa não é uma banda tão badalada como a anterior. A influência da Turnpike Troubadours também é visível, mas percebi um pouco de Reckless Kelly e Pat Green nas músicas da banda. "Sinners and the Saved" é mais uma estreia para aplaudir de pé, mais uma que exala Country de qualidade. Fiquem atentos à essa banda.

Eric Clapton - I Still Do (Blues)

"I Still Do" foi sem dúvidas o álbum mais aguardado do ano, pelo menos até o momento. Não vou comparar esse álbum com nada que ele lançou nos anos 1970 e 1980, mas "I Still Do" é o melhor álbum dele lançado nessa década, "Clapton" de 2010 não conta, é da década passada.

O Clapton tem repetido nos últimos anos que está curtindo sua música, não trabalha mais com aquela pressão de ter que lançar grandes álbuns, vender muitas cópias e realizar extensas turnês, ele não precisa de mais nada, não precisa provar nada para o mundo, já fez mais do que se espera de um músico.

Flatland Cavalry - Humble Folks (Country)

As comparações com a Turnpike and Troubadours é inevitável, mas não é ruim ruim ser comparada com uma das melhores bandas Country da atualidade, principalmente quando você está . Eu falo muito do Country que vem do Texas, o estado que respira Country e mantém acesa a chama do lado mais tradicional do estilo, e a Flatland Cavalry é, para mim, a grande promessa, uma das que estarão entre as grandes do estilo que tanto amamos em um futuro não muito distante.

Hot Buttered Rum - The Kite & The Key (Bluegrass)

"The Kite & The Key" foi lançado em três partes, duas em 2016 e uma em 2015, e mostra todo potencial da Hot Buttered Rum, uma das bandas de Progressive Bluegrass mais interessantes da atualidade.

Esse não é um álbum indicado para todos os fãs de Bluegrass, nem todos conseguem se encantar com essa vertente mais progressiva, mas se você quiser se arriscar por essa maravilhosa vertente, esse álbum é um bom começo.

Husky Burnette - Ain't Nothin' But a Revival (Blues)

O Blues é uma religião e Brian "Husky" Burnette é um fiel pregador. Ao longo dos anos Husky vem mesclando o Delta Blues com o Rock e o Blues Elétrico, criando um som corajoso, com alma e sujo. O título do álbum é um spoiler do que você irá escutar: não é nada além de um revival!

Os fãs de Blues mais ligados ao que surge de novo, conhecem bem o som e a paixão do Husky pelo Blues, seja qual for a sua vertente. É simples, apertem play e se deliciem com cada uma das músicas que fazem parte de "Ain't Nothin' But a Revival".

Julie Rhodes - Bound to Meet the Devil (Blues)

Até aqui, nenhum debut superou "Bound to Meet the Devil", esse álbum é simplesmente impecável, a voz da Julie Rhodes é fantástica e a banda que acompanha ela não decepciona. Logo na faixa de abertura, "In Your Garden", já tive a certeza de esse não seria só mais um álbum, esse seria "o álbum".

Essa mulher é especial, poucos começam a carreira gravando no FAME Studios, poucos tem a honra de ter o Spooner Oldham tocando em seu álbum, mas poucos tem o potencial dessa jovem promessa.

Layla Zoe - Breaking Free (Blues)

Quem é essa mulher? Foi essa a pergunta que fiz assim que escutei os primeiros minutos da faixa "Backstage Queen", faixa de abertura do álbum "Breaking Free". Esse álbum me impressionou bastante, não só pela voz da canadense Layla Zoe, a banda dela dá todo o suporte necessário para ela brilhar nos vocais, nos presenteando com diversas jams de altíssima qualidade.

Esse é o terceiro álbum de estúdio dela e fiquem de olho, essa é mais uma mulher que veio para mostrar que o Blues não é só coisa de homens.

Lonesome River Band - Bridging Tradition (Bluegrass)

A Lonesome River Band é uma daquelas bandas que não decepcionam os fãs. A banda sempre manteve um ótimo nível em seus lançamentos, não importa qual formação, os álbuns sempre tiveram uma qualidade superior. A Lonesome River Band é uma das mais tradicionais bandas de Bluesgrass, está na ativa desde 1983, lançou 17 álbuns e sempre foi fiel ao Bluegrass.

Certos álbuns são considerados bons mesmo antes de serem escutados, "Bridging the Tradition" é  um desses casos, é certeza de felicidade para qualquer fã de Bluegrass.

Moreland & Arbuckle - Promised Land or Bust (Blues)

"Promised Land or Bust" é só mais um álbum normal da Moreland & Arbuckle. Quando falo normal, não é para desmerecer o trabalho da banda, é porque os caras só lançam bons álbuns, então esse é só mais um grande álbum lançado por eles.

Certa vez o Moreland disse o seguinte: "Eu acho que temos sorte, pois temos um som único e um estilo único que eu realmente não ouvi em nenhum outro lugar." Isso pode soar como um narcisismo dos músicos, mas é algo totalmente corroborado pela crítica especializada. Eu sempre espero muito pelos álbuns desse trio e eles nunca me decepcionam, é Blues de qualidade.

Nick Moss Band - From the Root to the Fruit (Blues)

"From the Root to the Fruit" é fantástico. O álbum é dividido em duas partes, sendo a primeira parte um dos melhores álbuns de Blues que escutei nos últimos anos, o Nick Moss é um monstro na guitarra e o Michael Ledbetter destrói nos vocais. A segunda parte pode não agradar os mais tradicionais, mas irá cair nas graças daqueles que curtem jams com muito Blues, Rock, Soul e Psicodelia.

Reverend Hylton - Stubborn Nail (Country)

"Sttuborn Nail" é mais uma animadora estreia que escutei em 2016. O guitarrista e vocalista Reverend Hylton é mais um daqueles músicos que parecem não se preocupar com a fama ou o número de fãs, ele quer apenas tocar e cantar aquilo que acredita. Não quero comparar os músicos, mas é o discurso do Sturgill Simpson, ele quer fazer sua música.

O som do Reverend Hylton é um Country/Americana acústico, indicado para qualquer um que curte conhecer coisas novas e sem nenhum apelo comercial.

Rob Baird - Wrong Side of the River (Country)

Passaram-se longos quatro anos desde a primeira vez que escutei algo do Rob Baird. Em 2012, ele lançou o ótimo "I Swear It's The Truth", um dos melhores álbuns daquele ano, e uma grande expectativa foi criada. Ele demorou, mas não decepcionou.

"Wrong Side of the River" é facilmente um dos grandes álbuns lançados na Country Music em 2016. O Rob Baird continua um grande contador de histórias e conseguiu melhorar ainda mais a sua voz. Espero que ele não demore mais quatro anos para lançar mais músicas inéditas.

Robert Jon & the Wreck - Good Life Pie (Southern Rock)

Um riff acompanhado por um piano, isso é o suficiente para arrepiar qualquer fã de Southern Rock, foi exatamente o que aconteceu quando escutei "Rollin'", faixa de abertura do álbum "Good Life Pie" da Robert Jon & the Wreck. Essa é uma banda para ficar de olho, os caras estão lançando ótimos álbuns e merecem um chance.

SIMO - Let Love Show The Way (Blues)

Eu fiquei chateado diversas vezes por causa dessa banda. Sempre que ia apresentar ela para algum amigo, todos diziam que já conheciam a banda, principalmente por causa do seu líder e guitarrista, JD Simo, que segundo eles, é muito conhecido, exceto por mim.

"Let Love Show The Way" me apresentou a banda e me deixou muito eufórico e empolgado para apresentar ela para o máximo de pessoas e fiquei chateado por ver que só eu não conhecia do som desse power trio, mas superei isso. O álbum já é histórico, foi o primeiro no melhor lugar dos EUA: na The Big House, a lendária casa dos Allman Brothers. Não tem como ser ruim.

Sturgill Simpson - A Sailor's Guide To Earth (?)

O Sturgill Simpson vem de uma sequência impecável de álbuns, "High Top Mountain" em 2013 e "Metamodern Sounds In Country Music" em 2014, ambos aclamados por críticos e fãs, e "A Sailor's Guide To Earth" não será o álbum que quebrará a corrente. Esse é seu álbum mais pessoal, ele escreveu para seu filho, e uma evolução do que foi feito em seu registro anterior.

Nem de longe esse é um álbum Country e muito menos o Sturgill será aquele salvador que esperamos tanto surgir no estilo, mas isso não tira o mérito desse cara, que é um dos músicos mais interessantes, criativos e originais da atualidade. O Sturgill Simpson é um daqueles músicos que, não importa o estilo, os fãs gostam e ovacionam de pé.

Tedeschi Trucks Band - Let Me Get By (Blues)

A Tedeschi Trucks Band é uma das poucas bandas que sempre fico ansioso para escutar seus novos álbuns e eles sabem como fazer isso. Ano passado lançaram dois singles, "Anyhow" e "Don't Know What It Means", que elevaram a expectativa lá para o Everest.

Nos dois primeiros álbuns todos sabíamos do potencial da banda, mas só a Susan e o Derek se destacavam, mas em "Let Me Gey By" a banda, os doze componentes, são o destaque.

The Brothers Comatose - City Painted Gold (Bluegrass)

A The Brothers Comatose (ninguém da banda tem esse sobrenome) faz uma mistura muito agradável de Folk, Bluesgrass e Americana. "City Painted Gold" é o terceiro álbum deles, o primeiro lançado após o grande aumento de popularidade das músicas da banda, muito influenciado após diversas apresentações ao lado da Devil Makes Three, Yonder Mountain String Band e Lake Street Dive.

A banda é bem conhecida na Bay Area e parece que alcançou maturidade para alçar voos maiores.

The New Offenders - Stones to Throw (Southern Rock)

Parece meio óbvio, mas, para mim, não existe estilo musical mais perfeito que o Southern Rock. Eu amo Country, Blues e rock, mas amo ainda mais a união dos três, uma um casamento que gerou a música perfeita. O estilo não morreu como os mais puritanos gostam de dizer, a chama ainda está viva e a The New Offenders é a mais nova sensação do estilo.

"Stones to Throw" é um dos melhores debuts que escutei nos últimos anos e digo sem medo, essa é uma das bandas mais promissoras da atualidade, não só por apostar no Southern Rock, mas por mostrar, logo na estréia, mais qualidade que a maioria das bandas que estão na ativa.

The Okee Dokee Brothers - Saddle Up (Bluegrass)

"Saddle Up" é mais um álbum da Okee Dokee Brothers, banda de Bluegrass com foco no público infantil. A banda acredita que as crianças também merecem escutar músicas de qualidade, por isso focam nelas, mas não exclui nós adultos. Um dos álbuns mais agradáveis que escutei esse ano.

The Steepwater Band - Shake Your Faith (Southern Rock)

A Steepwater Band não é uma banda novata, está na ativa desde 1998 e sempre trouxe influências do Blues e Southern Rock em suas músicas, sendo o segundo uma influência muito aparente nesse novo álbum.

"Shake Your Faith" tinha uma tarefa muito difícil, ser tão bom ou do mesmo nível que seu antecessor, ótimo "Clava" de 2011, ainda não sei dizer se é melhor ou não, mas ele manteve o alto nível dos álbuns da banda. Os fãs de Southern Rock irão curtir diversas faixas, principalmente as mais longas e com grandes jams.

The Temperance Movement - White Bear (Blues)

Eu conheci a Temperance Movement em 2013, logo após o lançamento do seu álbum de estreia, na época gostei bastante do álbum, mas não me encantei. "White Bear" me foi indicado por um amigo, nem estava esperando esse álbum e, finalmente, acabei sendo fisgado pelo som da banda.

Os britânicos tocam um Blues Rock de extrema qualidade, misturando o estilo de Chicago com o Psicodélico, Glam e muitos sintetizadores. Faça como eu, se entregue ao som dessa banda e seja feliz.

Toronzo Cannon - The Chicago Way (Blues)

O bluesman Toronzo Cannon vem lá de Chicago e honra a história do Blues daquela cidade. O Toronzo não é só um grande guitarrista e vocalista, ele é um músico que orgulha os pais do Blues.

Por anos Cannon foi motorista de ônibus em Chicago e fazia uma jornada dupla, dirigia pelas ruas da cidade e a noite tocava em pequenos clubes de Blues. Em uma entrevista ele disse que o "Blues é a música para dizer a verdade", é o estilo que conta a dura realidade em que vivemos, e ele faz isso muito bem. Toronzo Cannon, guardem esse nome!
Tecnologia do Blogger.