Melhores álbuns que escutei em junho de 2016


Como faço todos os meses, vamos a mais uma lista com os melhores álbuns que escutei no último mês. Os álbuns que escuto, na maioria das vezes não foram lançados no mês que escuto, muitas vezes não consigo escutar todos os álbuns lançados no mês ou conheço o álbum bem depois dele ter sido lançado. As minhas listas sempre são compostas, em sua maioria, por lançamentos de bandas pouco conhecidas, mas sempre tento trazer alguns nomes mais conhecidos do grande público.

Siga e escute a playlist "As Melhores Músicas de 2016"


Pela primeira vez em 2016 meu álbum preferido em um mês não é um debut, dessa vez o topo pertence a uma banda chamada Nick Moss Band, que lançou o maravilhoso "From the Root to the Fruit". O álbum é dividido em duas partes, sendo a primeira parte um dos melhores álbuns de Blues que escutei nos últimos anos, o Nick Moss é um monstro na guitarra e o Michael Ledbetter destrói nos vocais. A segunda parte pode não agradar os mais tradicionais, mas irá cair nas graças daqueles que curtem jams com muito Blues, Rock, Soul e Psicodelia.

"Wrong Side of the River" pode ser o álbum que colocará o Rob Baird, finalmente, em evidência na cena Country. "Wrong Side of the River" não tem pontos fracos, é bom do início ao fim e, sem dúvidas, um dos melhores álbuns do ano. "Trilogy" é o trabalho mais ambicioso já lançado pela Ana Popovic, contém 23 faixas e faz uma mescla entre o Blues, Jazz e Funk. Não sou um purista no Blues, mas tem certas coisas que não admito na música, uma das principais é a influência do Hip Hop, algo que apareceu em "Let's Do It Again", mas não foi o suficiente para tirar o brilho desse maravilhoso trabalho da Ana Popovic.

Um riff acompanhado por um piano, isso é o suficiente para arrepiar qualquer fã de Southern Rock, foi exatamente o que aconteceu quando escutei "Rollin'", faixa de abertura do álbum "Good Life Pie" da Robert Jon & the Wreck. Essa é uma banda para ficar de olho, os caras estão lançando ótimos álbuns e merecem um chance. É difícil não gostar de bandas como a The Whiskey Misters, pelo menos para mim, não consigo resistir a uma boa string band. Essa é uma daquelas bandas bem desconhecidas e que deveriam ter mais atenção, "II" é recomendado para qualquer fã de Country.

"Band of Storms" é só mais um ótimo álbum do Jimbo Mathus, um dos músicos mais interessantes que conheci nos últimos anos. Esse é o terceiro álbum dele em menos de dois anos, e parece que o cara não quer deixar a chama se apagar, pois é um álbum melhor que o outro. Eu não tenho muito o que falar de "This Train", novo álbum do Ken Atkins & The Honky Tonk Kind, o álbum é feito para ser amado pelos fãs do Country.

"Saddle Up" é mais um álbum da Okee Dokee Brothers, banda de Bluegrass com foco no público infantil. A banda acredita que as crianças também merecem escutar músicas de qualidade, por isso focam nelas, mas não exclui nós adultos. Um dos álbuns mais agradáveis que escutei esse ano.

"Death Blues vs. The Dirty Spliff" é um split das bandas 20 Watt Tombstone e Left Lane Cruiser, bandas conhecidas por seu Blues "sujo" e cheio de influências do Stoner Rock. O álbum é composto por seis ótimas canções, que irão agradar os fãs mais abertos de Blues. A Mudcrutch foi formada em em 1970, mas ainda está em seu segundo álbum de estúdio. O Tom Petty é o grande destque de "2" e nem preciso explicar os motivos. O som da banda está entre o Southern Rock e o Country Rock e nem parece que o Tom está com 65 anos, a sua voz continua inconfundível e impecável.

A "These Hills", novo álbum da Irene Kelley, não poderia deixar de aparecer nessa lista, muito menos a sempre impecável Sarah Jarosz e seu novo álbum "Undercurrent". O Bluegrass continua sendo bem representado com "Feast or Famine" da Urban Pioneers, "Blues Skies" da Mountain Heart e "Living the Dream" da The Spinney Brothers. O Rock aparece com "Second Sun" da Buffalo Summer, o Country volta com "High Stakes - Cowboys Songs VII" do Michael Martin Murphy e o Blues segue com "House Party at Big Jon's" do Big Jon Atkison & Bob Corritore.

Indico também "Hollow Bones" da, sempre maravilhosa, Rival Sons; o Country "One Too Many Marshall Tucker Songs" da The High Rollers; o Country roots do "Let Me Off at the Bottom" do Daniel Meade & The Flying Mules; o Blues da Debbie Bond "Enjoy the Ride (Shoals Sessions)"; o Country da Pine Street Ramblers em "Hazy Shade of Gold"; "Rattle Your Bones" da The Haunted Windchimes e o Country do Al Scorch em "Circle Round the Signs".

E continuando a tradição, indico alguns álbuns nacionais que escutei em junho. Começo com o Folk da O Barco, a Ponte e o Sótão em "Todas as Outras Maneiras de Dizer a Mesma Coisa". A gravação do álbum pode não ser a melhor, mas a banda tem potencial. O Rockabilly Old Stuff Trio já é uma velha conhecida dos leitores do site e estão de volta com "Just Trying". Um dia o Folk ainda vai dominar esse país e a Guaiamum é uma prova de que temos ótimos artistas para realizar esse sonho. O Blues nesse país nunca me decepciona, sempre tem um novo álbum sendo lançado por aí. Dessa vez, destaco "O Amor é Um Cão dos Diabos" da Booze n' Blues. Para encerar, indico o Stoner dos goaianos da Dog Man. "Homo Homini Canis" estava sendo muito aguardado e não decepcionou.

Tecnologia do Blogger.