Melhores álbuns que escutei no primeiro semestre de 2015

Nesses primeiros seis meses de 2015, devo ter escutado uns 100 novos álbuns, os estilos são variados, Blues, Southern Rock, Folk, Bluegrass, Country e Jazz, mas só 59 apareceram em minhas listas, uma de janeiro/fevereiro, outra de março/abril e uma para os meses de maio/junho, sendo que só 30 foram incluídos nessa lista semestral.

Se você me perguntar qual o melhor álbum que escutei até agora, não irei ter dúvidas, é o Medicine do Drew Holcomb and the Neighbors, já escutei as músicas de álbum 960 vezes até o momento. Mas espero que isso mude, quero escutar outros grandes álbuns e sei que nas próximas listas irão aparecer grandes candidatos a tomar esse posto. De cabeça, me lembro que ainda teremos lançamentos da Kacey Musgraves, Jason Isbell, Lindi Ortega, Daniel Romano, Swampdawamp, Alan Jackson, Neil Young, Buddy Guy, Boz Scaggs, Samantha Fish, Ronnie Earl & The Broadcasters, Warren Haynes, Dr. John, Pat Green e Kasey Chambers.

Confiram a lista:

A Thousand Horses - Southernality

Admito que não gostei da primeira vez que escutei, mas na segunda vez a música rolou naturalmente. Faz anos que acompanho a banda e eles estão prontos para o sucesso, o som deles é acessível, mas sem se esquecer das suas origens, o bom e velho Southern Rock.

Aaron Watson - The Underdog

É até difícil falar desse álbum, ele é muito bom para tentar resumir em algumas linhas. Algumas faixas do álbum foram lançadas em 2014, o que gerou uma expectativa enorme por parte dos fãs do cowboy texano. Eu era um desses e minhas expectativas foram totalmente superadas, Muitos fãs irão dizer que o álbum está pop demais, que fugiu do tradicional estilo do cantor, não discordo de nenhuma dessas opiniões, mas isso impede o álbum de ser bom?

Asleep At The Wheel - Still the King: Celebrating the Music of Bob Wills and His Texas Playboys

A coisa é simples, o Asleep At The Wheel, uma das melhores bandas Country de todos os tempos, resolve chamar alguns amigos para celebrar a música do Rei do Western Swing, nosso amado Bob Wills. Você acha que pode ter dado errado? Eis alguns dos músicos convidados: Willie Nelson, Old Crow Medicine Show, The Avett Brothers, Merle Haggard, Pokey LaFarge, The Time Jumpers, George Strait, Buddy Miller, The Devil Makes Three, Shooter Jennings e muito mais, impossível dar errado e não deu.

Beth Hart - Better Than Home

Quando a Beth Hart canta a primeira palavra da primeira música, "Might As Well Smile", já sabia que esse seria um grande álbum. Eu costumo falar muito das mulheres na Country Music, mas elas também são destaque no Blues, a Beth é uma das melhores. Ela não é como a maioria, não toca guitarra, mas compensa com sua voz poderosa.

Blackberry Smoke - Holding All Roses

Nenhum álbum gerou tantas discussões como esse, "Holding All Roses" estava sendo odiado antes de seu lançamento, mas o ódio diminuiu bastante quando as pessoas pararam e escutaram o álbum completo. Está diferente, não tenho dúvidas, mas o Blackberry Smoke não perdeu sua principal característica, a qualidade.

Brandi Carlile - The Firewatcher's Daughter

Eu amo esse meu prazer por descobrir "novos sons", sempre me deparo com algum artista que me torno fã instantaneamente, foi o que aconteceu com a Brandi Carlile. Em determinado momento o álbum é melancólico, "The Eye", logo em seguida temos a animada e cativante "The Things I Regret", uma verdadeira montanha russa. Escutem "The Stranger at My Door", uma das performances vocais que já escutei na minha vida.

Charlie Parr - Stumpjumper

Esse álbum transpira tradicionalismo do começo ao fim, trazendo uma vertente do Blues que não escutava faz tempo, o Piedmont Blues, que surgiu após o Delta Blues se espalhar e é muito influenciado pelo Ragtime. O álbum todo é acústico e muito bem trabalhado, não tem erro, não tem como não gostar desse álbum.

Chris Stapleton - Traveller

Se você já ouviu a banda de Bluegrass The SteelDrivers, deve conhecer o Chris Stapleton, ele era vocalista e guitarrista da banda. Ele sempre foi um compositor de hits, escrevia para as pessoas erradas, mas o cara tinha que sobreviver, mas finalmente ele se tocou que esses hits poderiam ser dele, que ele tem potencial para construir uma carreira sólida.

Dale Watson - Call Me Insane

O Dale gosta de chamar seu som de Ameripolitan, um mix de honky tonk, rockabilly, western swing e outlaw country, mas tanto faz o nome que ele dá, o importante é a qualidade dos seus trabalhos, sempre muito bons, "Call Me Insane" não foge dessa regra.

Dallas Moore Band - Dark Horse Rider

Gradualmente tenho percebido a mudança que a o Dallas Moore fez do Southern Rock para o Outlaw Country. É meio esquisito, mas tenho que admitir que o negócio dele é Outlaw Country, gosto dos primeiros trabalhos dele na linha mais Southern Rock, mas está muito melhor agora.

Della Mae - Della Mae

Essa é uma das bandas que me orgulho de acompanhar desde o lançamento do primeiro single. E como é bom assistir a evolução de uma banda. No caso desse álbum, a evolução pode não ser perceptível para todos, mas para este que vos escreve, que escutou centenas de vezes as canções do primeiro álbum, a expansão das influências, o aprimoramento dos arranjos e das composições, é muito perceptível. Mais um grande álbum de Bluegrass lançado em 2015.

Drew Holcomb and the Neighbors - Medicine

É inegável que esse álbum é bem comercial, mas temos que entender que nem tudo que é comercial é ruim. Ele mistura com perfeição as raízes da música americana com as influências de Nashville. Suas letras e vocais sempre parecem vir do coração e as melodias são bem trabalhadas.

Dwight Yoakam - Second Hand Heart

Admito que não gostei do último álbum dele e por isso escutei esse álbum com cuidado, que só durou até o primeiro minuto da primeira faixa. O álbum todo é o que um fã do Yoakam espera, esse é o Dwight Yoakam que aprendi a gostar, esse é o Yoakam que todos querem escutar.

Emmylou Harris & Rodney Crowell - The Travelling Kid

Elogiar esses dois é chover no molhado! Sempre irei dizer: não existe a minima possibilidade de algo feito por esses dois dar errado! Não vou dizer mais nada, só escutem.

Hogjaw - Rise to the Mountains

O Hogjaw continua com uma sequência inquestionável de ótimos álbuns, o que leva ela a ser considerada uma das melhores bandas de Southern Rock da atualidade. Dá orgulho de escutar essa banda e lembrar que ela surgiu nesse século, comprovando, mais uma vez, que nossa geração tem diversos músicos talentosos e que o Southern Rock está vivo pra caramba.

Kevin Deal - Nothing Left to Prove

É difícil não gostar de artistas texanos, eles tem algo que faz deles naturalmente bons. Esse agradará qualquer fã da verdadeira Country Music, foi a maior surpresa que tive nesses primeiros dois meses do ano.

Left Lane Cruiser - Dirty Spliff Blues

Faz anos que venho falando dessa banda, ela é uma das que inclui na lista de 31 bandas da nova geração do Southern Rock que você deve ouvir, e ela não me decepcionou com esse novo álbum. O som da banda é um Blues Rock sujo, com muita influência do ZZ Top.

Pokey LaFarge - Something In The Water

Vocês não tem ideia de como fiquei feliz quando soube que o Pokey LaFarge ia lançar um novo álbum. Escutar o som dele é viajar no tempo, ir lá para os anos 1930. Esse som vintage, que mistura Blues, Jazz e Country roots, é brilhante. Outros também fazem essa mistura, mas não conheço quem soe tão original como ele.

Randy Rogers & Wade Bowen - Hold My Beer, Vol.1

Como as pessoas podem dizer que não se faz música boa no século 21? Se elas escutarem esse álbum, irão se calar para sempre. Randy Rogers e Wade Bowen são gigantes do Texas Country, mas nem sempre conseguem alcançar o grande público da Country Music. Ambos tem carreiras bem sólidas, mas esse trabalho, na minha opinião, supera qualquer coisa que eles lançaram. Com "Hold My Beer Vol. 1" eles dão um passo para fora do Texas, eles querem alcançar um público maior, mas fazem isso apostando no que existe de mais tradicional no Country. Um álbum para se chamar de clássico.

Richie Furay - Hand In Hand

Como é bom ver um dos pais do Country Rock na ativa, ainda mais quando ele está cantando como um jovem, algo impressionante para um senhor de 70 anos. Fazia muito tempo que não escutava Poco e Buffalo Springfield, mas assim que terminei de escutar o álbum, corri para escutar algo de seus clássicos nessas bandas.

Roo Arcus - Cowboys & Sunsets

O Country se espalha cada dia mais pelo mundo e o Roo Arcus é a prova disso, ele vem lá da Austrália. Olhei a biografia dele e me tornei um fã. Arcus teve que interromper sua carreira em 2004, justo quando estava começando a crescer, mas a morte da sua mãe e uma seca história, fez ele voltar suas atenções para a família e sua fazenda. Esse é um álbum que o Alan Jackson teria orgulho de gravar.

Robben Ford - Into The Sun

Terceiro CD em três anos e todos mantendo um ótimo nível. Nos dois últimos ele foi mais em direção do jazz, pelo menos foi o que percebi, em "Into The Sun" o som está mais variado, tem blues, rock, funk e jazz, tudo apresentado de uma forma bem natural. Essa sequencia de bons trabalhos, coloca o Robben Ford em destaque no Blues moderno, um dos melhores guitarristas da atualidade.

Ryan Bingham - Fear and Saturday Night

Depois do fiasco chamo "Tomorrowland", finalmente o Ryan voltou a tocar Americana. Os fãs sabem que ele passou por dificuldades nos últimos anos e por isso entendemos o recado que ele deu na música "Nobody Knows My Trouble", um dos destaques do álbum. Felizmente ele conseguiu voltar para o caminho certo. Depois de uma de suas canções ganhar Oscar e o caramba a quatro, seria óbvio que ele fosse em direção a um público maior, mas ele não fez isso, apenas continuou sendo honesto consigo mesmo.

Sarah Gayle Meech - Tennessee Love Song

Essa é para os fãs de Country, guardem esse nome: Sarah Gayle Meech. Várias pessoas me indicaram esse novo álbum dela, e quando escutei, descobri o motivo de tanta insistência, o álbum é muito bom. Ela deu um passo para o reconhecimento, não das rádios, mas dos fieis fãs de Country tradicional.

Seasick Steve - Sonic Soul Surfer

De todos os álbuns que escutei nesses dois meses, o mais esperado era "Sonic Soul Surfer", não preciso ficar explicando os motivos, qualquer coisa do Mendigo do Blues gera expectativa. O álbum não decepciona. Li um trecho de uma entrevista dele para o site da Red Bull e só me tornei mais fã desse velho bluesman: "O disco todo é basicamente eu e Dan (Magnusson) sentados, bebendo e tocando. Não tem muita produção, mas sei que estou fazendo o que eu quero". Ele é sinceridade pura!

The Kentucky Headhunters - Meet Me In Bluesland

Esse álbum me pegou de surpresa. A banda uma foi uma das responsáveis por levar o Southern Rock de volta a mídia no final dos anos 80 e se mantém ativa até hoje. "Meet Me In Bluesland" foi gravado ao lado do lendário pianista Johnnie Johnson, que gravou clássicos ao lado do Chuck Berry (está no Rock and Roll Hall of Fame graças a esses trabalho) e foi a inspiração inicial para o clássico "Johnny B. Goode". Esse é um álbum bem mais Blues, mas pode-se encontrar Southern Rock nele.

The Lone Bellow - Then Came The Morning

O primeiro álbum deles foi avassalador, os críticos adoraram e os fãs apaixonados, e como é de se esperar, o segundo álbum sempre gera uma enorme expectativa. Nem todos gostaram, mas pode-se notar que a banda está criando sua identidade, um estilo que está cada dia melhor. No primeiro álbum o Zach dominava os vocais, agora o Brian e Kanene contribuíram demais e pude perceber os vocais deles se distinguindo dos do Zach, o que criou uma ótima harmonia. Um dos grandes álbuns de 2015.

Whitey Morgan and the 78's - Sonic Ranch

O Whitey é um dos grandes nomes da nova geração do Country, "Sonic Ranch" só confirma o que os fãs já sabiam. Foram longos cinco anos sem um álbum de inéditas, mas quando ele decidiu lançar um, veio com aquele, que até o momento, pode ser considerado seu álbum definitivo. Vai ser difícil você encontrar uma música ruim nesse álbum.

Willie Nelson & Merle Haggard - Django and Jimmie

Preciso mesmo falar os motivos desse álbum aparecer nessa lista? Quando dois mestres da música Country se unem para gravar algo, não é necessário muito para agradar os fãs. Pode não ser um álbum no nível do "Pancho and Lefty", mas um álbum desses dois nunca será menos que ótimo.

Yonder Mountain String Band - Black Sheep

Acho que fui apresentado ao lado progressivo do Bluegrass por essa banda, mas fazia muito tempo que não escutava nada deles. Existia a dúvida de como seria a banda com a saída do Jeff Austin, eu não quase nenhuma diferença. "Black Sheep" inicia muito bem esse segundo ciclo da banda, que ainda continua sendo um dos grandes nomes de um estilo que ela ajudou a criar, o Bluesgrass progressivo.
Tecnologia do Blogger.