Balada de Robert Johnson - Uma biografia musical cantada por um repentista


Já imaginou a história do Robert Johnson cantada por um repentista? O gaitista Flávio Guimarães (Blues Etilícos) lançou uma faixa chamada "Balada de Robert Johnson" no seu álbum solo "Navegaita". A faixa é de autoria do poeta Bráulio Tavares e cantada pelo violeiro e repentista Sebastião da Silva.

Essa música é uma verdadeira obra de arte, pois mistura a história do Blues com o tradicional ritmo nordestino, quase um blues do sertão. O instrumental se resume ao violão e a gaita, ambos muito bem tocados.

Essa música faz jus a história do maior bluesman de todos os tempos.

Seu mundo era rutilância
Seu mundo era escuridão
Seu nome era Robert Johnson
cantador d'outro Sertão

Vinte e sete anos vividos
lá nos Estados Unidos
passou veloz como a luz
Naquela terra sombria
onde tristeza e poesia
se dava o nome de Blues

Sua mãe teve onze filhos
seu pai ele nunca viu
O mundo em que foi criado
lembrava muito o Brasil

Era neto de escravos
dos negros fortes e bravos
colhedores de algodão
Nunca pisou numa escola
escreveu com a viola
e leu com o coração

Dizem que foi o diabo
quem lhe ensinou a tocar
Em um encontro marcado
numa noite sem luar

Cruzando as estradas tortas
daquelas veredas mortas
chegou na encruzilhada
Veio com a mão vazia
e partiu com melodias
porteio rima e tuá

Outros garantem que é lenda
que o diabo não existe
Johnson só cantava blues
por ser um poeta triste

Impunhava o instrumento
recitava um sentimento
na sua vida andarilha
E a tristeza era uma fera
um cão negro, uma pantera
farejando a sua trilha

Correu estradas de ônibus
de caminhão e de trem
Hora cantando sozinho
hora em dupla com alguém

Andava dias inteiros
ao lados dos companheiros
sobre o sol mais escaldante
Porém sempre se mantinha
vestido com boa linha
bem cuidado e elegante

Buscando um namorada
procurava as mais feiosas
As mulheres solitárias
carentes e carinhosas

A mulher que lhe aceitava
com todo gosto lhe dava
o corpo a casa e a cama
E ele deixava que ela
julgar-se ser a mais bela
na ilusão de quem a ama

Uma noite numa festa
tocava de madrugada
E começou um namoro
com uma mulher casada

Sedutor e seduzido
cantava como um sentido
naquele corpo moreno
Quando um copo alguém lhe deu
ele pegou e bebeu
sem saber que era veneno

Saiu dali carregado
para o quarto da pensão
Morreu e deixou somente
a mala e o violão

Não levou fama nem glória
não deixou nome na história
não levou riso nem mágoa
Foi um sopro de poeira
uma nuvem passageira
um nome escrito na água

Foi assim que Robert Johnson
passou pelo nosso mundo
Brilhou durante alguns anos
e apagou-se num segundo

Não deixou seu nome escrito
no mármore nem no granito
nas armas nem nos brasões

O que deixou para nós
foram os versos e a voz
e vinte e nove canções





Tecnologia do Blogger.