Buddy Guy - Rhythm & Blues (Review)


Esses dias estava pensando numa coisa, que apesar de parecer simples no primeiro momento, é deveras útil para analisar inúmeros aspectos da música atual, em âmbito geral. Qual foi o último CD duplo que você viu por aí? Pode ser ao vivo, mas de preferência pense em algum trabalho de estúdio. O meu foi o ao vivo do Tedeschi Trucks Band, ''Everybody's Talkin'' de 2012, depois disso não achei mais nenhum, e por que?

Em décadas passadas era relativamente comum ver bolachas duplas por aí. Ultimamente tenho visto pouquíssimas, aliás a grande maioria só é dupla pela enorme quantidade de faixas bônus. Diria que a categoria ''CD duplo de estúdio'' está em extinção, e poucos parecem notar o detalhe por trás disso.

Lançar um disco hoje não requer mais do que 10 faixas. Para lançar um duplo seriam necessário no mínimo o dobro, ou a banda em questão é de Rock Progressivo e as músicas são todas suítes. Em termos de criatividade é muito mais ''garantido'' lançar um CD simples e guardar as eventuais sobras de composição para um segundo trabalho, afinal de contas pra que desperdiçar tudo em um trabalho mais ousado e caro?

Esse é o pensamento dos artistas da nova geração. É apenas mais um indício que a música não é mais música, é negócio, e se as coisas não mudarem este cenário só tende a piorar, e com isso nós vamos ficando cada vez mais órfãos desta arte que dia após dia segue sendo livremente depredada por artistas ignorantes e meramente monossilábicos.

A situação está tão feia que coube a um senhor de 77 anos a meticulosa tarefa de gravar um disco inédito, e pasmem os senhores, duplo. Sim, o grande Buddy ''Sempre com um sorriso no rosto'' Guy gerou o substituo de ''Living Proof'' (seu último disco lançado em 2010), trata-se dele, o aguardado e excelente ''Rhythm & Blues'' lançado no dia 29 de julho, mas que vazou a quase um mês. Um dos melhores discos do ano com toda a certeza. Buddy está envelhecendo com classe, muita classe e muito Blues!

Que disco meus amigos, esse aí vale a pena até comprar. Em nível de produção não tem nem o que falar, o som é perfeito, a banda é excelente, chega ser até sacanagem em alguns momentos, e as diversas participações deixam tudo ainda mais interessante, fora que o conceito do álbum em si já é um barato.

No primeiro disco as músicas são mais agitadas, tem uma pegada bem Soul, já no segundo meu chapa, aí é outra negociação, temos uma aula sobre o Blues galanteador de Chicago, por isso o nome do disco, ''Rhythm & Blues''. Se no último CD do guitarrista (''Living Proof'') ele conta sua história ao som de um belo Blues, aqui ele parece relutar em aceitar sua condição.

O americano parece não estar nem aí com os seus 77 anos, e esse disco aqui é a prova disso, ele esnoba sua idade, o tempo pra ele parece não passar, todos envelhecemos, mas Guy, jamais! Ele segue viajando o mundo ano após ano com sua guitarra, tocando, tocando...Tocando, e tocando entre os intervalos! Pegue este disco meu amigo, a energia é indescritível, o que ele faz na guitarra é um desaforo, são 77 anos com corpinho de 60, avante mestre, você ainda tem muito tempo, esse é pra escutar comendo o bolo de aniversário!

Como o disco é bem longo ia ser bem maçante falar de todas as faixas, mas recomendo aos senhores começarem pelas participações especiais, mergulhem com tudo, vale a pena, quase uma hora e meia de show, boa audição!

Escrito por Guilherme Espir do blog Macrocefalia Musical
Tecnologia do Blogger.