Dissecando : Can’t You See - The Marshall Tucker Band


As vezes nos comemos um prato delicioso do qual gostamos muito, em um primeiro momento do gosto geral, depois talvez de sua textura ou sabor diferenciado ou até de um ingrediente ou outro. Pouca gente tem essa percepção de distinguir o que compõe o prato, mas acontece o mesmo com canções.

Sim lógico, quem nunca "não gostou" de uma musica em um primeiro momento e depois aprendeu a aprecia-la? Ou simplesmente nunca prestou atenção em todos os seus detalhes? Em seus temperos?

O objetivo desta postagem é fazer exatamente esse exercício de dissecar uma canção, colocar na mesa todos os seus ingredientes e descobrir como ela é composta.

A musica escolhida para a "inauguração" desta "nova coluna" foi à mítica "Cant You See" da The Marshall TuckerBand.

Contextualiazando: "Cant You See" é a segunda faixa de The Marshall Tucker Band de 1973, o álbum de estreia da banda, e ainda se faz presente em Searchin’ for a Rainbow de 1975 em uma versão ao vivo.

A canção chegou a 8 lugar na Billboard em seu ano de lançamento e foi regravada por vários artistas de renome como Hank Willinas Jr, Charlie Daniel Band, Alabama entre outros.

A faixa logo virou um hino e um verdadeiro cartão de visitas da banda.

"Cant You See", em sua versão de estúdio tem exatamente 6:05 min. chegando a 6:28 em sua versão ao vivo de 1975.

A musica inicia-se com um dedilhado no violão até a entrada da Flauta transversal de Jerry Eubanks, 12 segundos depois, em um riff que se repetira na musica. Logo depois, liderados pelo baixo, o resto dos instrumentos dão inicio ao corpo da musica, com o baixo, a bateria, o riff de violão e a intro da flauta. 
Toy Caldwell

Com menos de um minuto Toy Caldwell desliza seus dedos pelas cordas da guitarra fazendo a introdução. É genial a forma como o violão se mantém ao fundo, nota-se que o dedilhado se perde e se transforma em uma batida acompanhando a bateria, no entanto, um segundo violão aparece e fica ao fundo efetuando diversos riff diferentes complementando a guitarra como quem tenta manter uma conversa. Então ficam dois violões (um ao fundo fazendo uma base no dedilhado e outro riffando acompanhando as deixas da guitarra), o baixo mantendo uma linha continua, a bateria e a guitarra, até a voz de Toy Caldwell começar a rolar. (é importante citar que esta faixa é cantada pelo guitarrista e não por Doug Gray, o vocalista da banda).

Com um minuto de musica começa-se o vocal "Eu vou tomar o trem na estação e não me importo para onde vai" e um riff de guitarra e um de violão. Nesta altura, o violão que a pouco estava riffando com a guitarra acompanha agora as deixas do vocal, no final da frase cantada, um pequeno riff, primeiro em Ré (D) depois em Dó (C) e por ultimo em Sol (G) e a linha do baixo mantendo-se estável da uma fluidez a musica que permite a liberdade para os demais instrumentos.

No final do primeiro refrão, um piano se acrescenta e mantém a mesma linha do segundo violão, efetuando riffs nos finais das frases. E uma pandeirola acompanha a bateria.

Com dois minutos, no final do segundo refrão, tem-se o inicio do solo de guitarra, aqui a pandeirola ganha mais velocidade e fica mais evidente. O piano e o segundo violão continuam a sua característica, acompanhando a guitarra e riffando em suas deixas.

A música agora fica mais encorpado são dois violões, uma guitarra solo, um piano, uma bateria + pandeirola, mais o baixo – que em minha opinião tem extrema importância na construção desta faixa.

Com menos de 3 minutos tem-se a terceira estrofe e no fim do terceiro refrão inicia-se um segundo solo de guitarra que se desenvolve de forma empolgante, acompanhado pelo segundo violão e pelo piano, até parar bruscamente em uma batida de prato. Para dar inicio ao quarto refrão. Agora, neste refrão, tem-se ao fundo apenas o primeiro violão repetindo o dedilhado da introdução e a guitarra riffando no final das frases. Repetindo o refrão uma quinta vez, se tem o restante dos instrumentos de volta proporcionando um momento onde o segundo violão, o piano e a guitarra complementam-se, um seguindo o outro em uma sequencia de riff levando até o terceiro solo de guitarra que termina poucos segundos antes de completar 6 min de musica.

Volta então o dedilhado da introdução e o riff da flauta e a guitarra segundo o fraseado da flauta, terminando a musica com todos os instrumentos novamente.

"Cant You See" é uma musica essencialmente simples, é composta basicamente por três notas, Ré (D), Dó (C) e Sol (G), mesmo o seu tempo não varia muito, o que torna a sua execução extremamente fácil, no entanto, o seu complicador fica nos riff.

Caso tenha me passado algum detalhe, se você percebeu alguma coisa que passou direto por mim, comente por favor, afinal – voltando a analogia inicial – algumas pessoas tem melhor paladar para sal que para pimenta por exemplo.
Tecnologia do Blogger.