My Dynamite - My Dynamite (Review)


"My Dynamite" é o primeiro álbum de estúdio da My Dynamite, lançado no dia 26 de Março de 2012, pela Listenable Records.

Há um ditado por aí que diz: "Todo álbum que começa com uma ótima música, termina com uma ótima música!", e "My Dynamite" não foge à regra. A primeira faixa do álbum "Take It Or Leave It" é como ouvir Black Crowes em "Shake Your Money Maker", com aquele drive das guitarras numa levada dançante, que mistura um toque de Hard Rock com Southern Rock, o suficiente pra nos levar a ouvir as demais faixas com aquela sensação de que estamos diante de uma banda incrível (E estamos!). Na sequência "Inside Out" por algum motivo me faz lembrar de "Who'll Stop The Rain" do Creedence Clearwater Revival e "Respect" do Rebel Pride, apesar da introdução ter uma pegada mais Hard Rock.

É difícil acreditar que Chris Robinson não seja o vocalista da My Dynamite, a semelhança é de assustar. Só vi algo assim na Molly Hatchet, entre Danny Joe Brown e Phil McCormack, levei tempo até saber quem cantava tal música e gravou qual álbum (Ainda acho que "Devil's Canyon" foi gravado por Brown, mesmo lendo o nome do Phil no encarte do álbum!). Já sei como ganhar dinheiro nesses jogos de "adivinhar músicas e bandas", colocarei "Inside Out" e todos vão errar ao dizer ser The Black Crowes.

"If We're Livin'" é aquele puro Rock n' Roll dançante, com riff's potentes e um refrão forte que gruda na cabeça. A faixa "Dirty Game" me faz acreditar que a garota da música exista de verdade, algo como "Like A Rolling Stone" do Bob Dylan com "Rosalie" do Bob Seger (A versão de "Rosalie" pelo Thin Lizzy é incrível!), mais uma ótima música com uma levada Rock n' Roll bem dançante. Em seguida temos "Watch Yourself Grow" sendo mais uma faixa que entraria fácil nos álbuns "Shake Your Money Maker" e "Amorica", creio que em qualquer álbum da The Black Crowes. Uma ótima música com riff's criativos e um solo bem nervoso, do tipo pra cair na estrada e pisar o pé no acelerador. Vale ressaltar o ótimo trabalho das backing vocals, dando um toque de beleza ainda maior nas canções.

A próxima faixa é a empolgante "Raise Your Glasses" um puro Rock n' Roll, com piano, solos de guitarra afiados, uma marcação do baixo bem alta, e um refrão que nos leva a cantar alto, é difícil ouvir essa música e não sentir uma vontade de cantar junto. A primeira canção mais suave do álbum é a bela "Singing Stormy Weather" uma perfeita lição de vida, que nos remete acreditar que pra toda tempestade da vida há um final feliz, ou quem sabe um arco-íris. A letra foi escrita para um amigo de um amigo deles, que passou por tempos difíceis.

A levada mais Rock n' Roll retorna com "Big Attraction" mais uma música com um refrão que fica na cabeça, destaco o final da música, onde Pat Carmody solta mais ainda sua voz, perfeita voz. Em "All That She Brings" o instrumental passeia por uma pegada funk/groove, guitarras ritmadas com o forte acompanhamento do baixo, aumentando a lista de mais uma ótima música do álbum. A última faixa "Fork In Your Tongue" surge com uma levada bem roots, vejo como um Southern Rock com pitadas de Blues. Benny Wolf faz um ótimo trabalho no pedal steel, mas o destaque fica com o "coro" feito no refrão, todos cantam. Estamos diante de um álbum incrível, perfeito do começo ao fim, e o mais impressionante mesmo nisso é saber que o álbum é de uma banda nova.

Você ouve o som da My Dynamite e compara com The Black Crowes, mas não é uma comparação negativa, há originalidade, você escuta o álbum e se surpreende positivamente, percebe que a influência existe, mas também enxerga que nada adiantaria se não houvesse o talento individual dos membros da My Dynamite. Nem sempre ter uma boa influência significa que a banda será boa, os caras da My Dynamite tem o fator X, tal fator chama-se dom musical, e eles vão além. O álbum já entrou na minha lista dos 10 melhores álbuns do ano, sei que é cedo pra eu falar isso, mas tenho a certeza de que poucas bandas vão conseguir lançar um álbum perfeito do começo ao fim. Aumente o som, abra sua bebida preferida e contemple esta obra sonora

Escrito por Augusto Monteiro e publicado originalmente na Taberna do Putardo.
Tecnologia do Blogger.