B.B. King - Live At The Royal Albert Hall 2011 (Review)



Riley Ben King, conhecido simplesmente como B.B. King é inegavelmente uma lenda do blues. No álbum "Live At The Royal Albert Hall 2011", lançado recentemente em Blue-ray e em uma edição que conta com CD e DVD, o bluesman mostra porque é um verdadeiro ícone, não somente do estilo que o consagrou. Mas um ícone da música contemporânea!

O disco é o registro do show gravado no Royal Albert Hall, em Londres, em agosto de 2011. Dentre tantos álbuns ao vivo do bluesman (vale a pena conferir "Live in Cook County Jail" de 1971), "Live At The Royal Albert Hall 2011" tem o mérito de reunir em um único palco, distintos convidados: o guitarrista Slash, o casal Derek Trucks e Susan Tedeschi, Mick Hucknall (vocalista do Simply Red) e Ronnie Wood, figurinha carimbada dos Rolling Stones.

Pela variedade dos convidados dá para entender porque King, mais que um tocador de blues, é um verdadeiro embaixador do estilo. Com 85 anos, na época do show, o lendário bluesman se mostra um verdadeiro mestre de cerimônias, cuja simpatia contagia não apenas seus convidados, como também sua plateia, que lotou a tradicional casa de show londrina. King conversa animadamente em vários trechos do registro e o excesso de falas, que à princípio pode irritar alguns ouvintes mais afobados, em nada atrapalha o brilhantismo do espetáculo.
Mick Hucknall, Slash, B.B. King, Ronnie Wood, Susan Tedeschi e Derek Trucks (da esquerda para direita)

O repertório é formado por dez canções, a maioria das quais constituem verdadeiros clássicos da carreira King. O ouvinte se depara com versões sem o mesmo vigor de outrora, mas igualmente emocionantes.

A bluseira começa com "I Need You So", devidamente introduzida por Lucille, a bela Gibson de King, acompanhada por uma banda afiada. Após alguns cumprimentos, em que o bluesman promete algumas surpresas para seu público, ouvimos finalmente seu canto, envelhecido e, como um bom vinho, saboroso. "Key To The Highway", uma canção clássica que já foi interpretada por outras feras, como Freddie King e Eric Clapton, tem uma introdução “chorosa” em que Lucille parece conversar diretamente com a alma do ouvinte.

"See That My Grave Is Kept Clean", cuja autoria é creditada ao lendário bluesman Blind Lemon Jefferson, é tocada como um lamentoso hino religioso que, afinal, o tema da música sugere. Em "All Over Again", com direito a um trecho da Marcha Fúnebre (de Chopin!) novamente Lucille se destaca, cujas notas ecoam como os versos de um soneto dedicado ao blues.

Em "Rock Me Baby", outro clássico, o casal da noite (Derek Trucks e Susan Tedeschi) mostram a que vieram. Trucks desfila solos em slide, que entrariam facilmente em qualquer canção do Allman Brothers Band e Tedeschi mostra seu talento, com sua potente voz bluseira. "You Are My Sunshine", ainda com a participação do casal, tem um clima mais intimista. A canção é cadenciada por um órgão gospel, em que os slides de Trucks choram e a envolvente voz de Tedeschi é entoada com sentimento.

Em "B.B. Jams With Guests" os demais convidados entram no palco para uma verdadeira jam. Com mais de quinze minutos, a canção é um registro descontraído marcado por diálogos entre guitarradas afiadas, em uma verdadeira overdose de blues. Destaque para os solos de Trucks, Tadeschi e Slash. Mick Hucknall, por sua vez, canta com uma voz vigorosa, como um autêntico bluesman.

O clima de jam continua em "The Thrill Is Gone", uma das canções mais conhecidas de King pela grande mídia. O dono da festa divide os vocais com Tadeschi e Hucknall e novamente somos brindados com solos guitarreiros. OBS: Para aqueles que acompanham o show pelo DVD: há um momento de descontração em que King "rouba" a famosa cartola de Slash.

"Guess Who", uma canção mais calma, tem um bonito acompanhamento de flauta.  As notas da Gibson de Slash soam bem mais limpas do que costumamos ouvir no Guns N’ Roses!

O encerramento do show fica a cargo da tradicional "When the Saints Go Marching In", música de inspiração religiosa, imortalizada por Louis Armstrong, cuja melodia é muito popular. A animada canção fecha a noite em grande estilo, em que um clima de reverência prevalece!

"Live At The Royal Albert Hall 2011" é um álbum que prima pela emoção. O disco nos dá algumas ideias sobre a grandiosidade e o espírito do blues. E quem melhor para expressar esse espírito que o próprio embaixador do estilo, B.B. King?

Longa vida ao blues, longa vida ao seu embaixador!

Faixas:

01. I Need You So
02. Key To The Highway
03. See That My Grave Is Kept Clean
04. All Over Again
05. Rock Me Baby
06. You Are My Sunshine
07. B.B. Jams With Guests
08. The Thrill Is Gone
09. Guess Who
10. When The Saints Go Marching In

OBS: O DVD conta com alguns extras, incluindo depoimentos de todos os convidados da noite. Vale a pena conferir!

Anderson Lobo
(poetaandersonlobo.blogspot.com)
Tecnologia do Blogger.