10 álbuns fundamentais para iniciantes no Blues IV - Chicago Blues


Chicago era o destino de vários negros que partiam das opressoras lavouras de algodão sulistas à procura de vidas melhores nas cidades do norte. Parte da primeira metade do século XX foi marcada por esse intenso movimento migratório. Nesse contexto de verdadeira peregrinação, vários foram os bluesmans que deixaram o delta, em busca de Chicago. E alguns desses homens e mulheres escreveram seus nomes da história torta do blues.

Em Chicago a sonoridade da música nascida no delta sofria transformações. Ali, o blues se eletrizava, ganhava acordes de guitarra, linhas de baixos, pianos, etc. E assim, ganhava o mundo...

Abaixo, dez grandes discos do Chicago Blues.

Koko Taylor - I Got What It Takes

Por muitos, Koko Taylor é considerada a Rainha do Blues e não por acaso! Com uma voz vigorosa e rasgada, Koko é um grande nome para quem quer conhecer um pouco mais sobre o blues feito em Chicago. "I Got What It Takes", gravado em 1975 é o primeiro disco da cantora gravado pela Alligator Records. É uma pedrada atrás de outra!
Bonnie Lee - Sweetheart Of The Blues

Concebido em 1995, pela gravadora Delmark, "Sweetheart Of The Blues" é um verdadeiro achado para os ouvintes do Chicago Blues. Embora Bonnie Lee não seja um nome muito conhecido dentre tantos artistas de blues, ela é dona de uma voz potente e de uma bluseira ímpar. "Sweetheart Of The Blues" é um disco delicioso, do início ao fim. Destaque para "Baby, What You Want Me To Do" e "That's All Right", grande sucesso de Jimmy Rogers, regravada magistralmente pela cantora.


Jimmy Rogers - Blues Blues Blues (The Jimmy Rogers All-Stars)

De 1999, esse álbum foi o derradeiro trabalho de Jimmy Rogers, guitarrista que ajudou a modelar a sonoridade do blues de Chicago ao lado de caras como Muddy Waters e Little Walter. Contando com inúmeras participações mais que especiais (Jeff Healey, Stephen Stills, Eric Clapton, Mick Jagger e Keith Richards, Jimmy Page e Robert Plant, Taj Mahal, entre outros), o álbum é bluseira total!

The Paul Butterfield Blues Band - East-West

Lançado em 1966, esse é o segundo álbum da Paul Butterfield Blues Band. O disco é uma referência para se conhecer o trabalho do gaitista/vocalista Paul Butterfield, músico nascido em Chicago e grande porta-voz do blues. "East-West", com uma pitada de psicodelia, nos apresenta um blues elétrico, vibrante, rocker.



Freddie King - Getting Ready

Lançado em 1971, pela Shelter Records, "Getting Ready" foi gravado nos estúdios da Chess Records em 1970. No disco, Freddie King destila solos afiados, totalmente passionais, e sua voz soa como a de um trovador, um verdadeiro poeta do blues. Um álbum emocionante, em todos os sentidos. Destaque para a versão acústica de "Dust My Broom" de Elmore James.

Muddy Waters - Fathers And Sons

Esse álbum, lançado originalmente pela Chess em 1969, é uma grande referência do Chicago blues! Contando com uma banda de cobras (Michael Bloomfield e Paul Butterfield da Paul Butterfield Blues Band, além do lendário pianista Otis Spann), o disco é recheado de canções poderosas (algumas gravadas em estúdio e outras ao vivo), sob a batuta da vigorosa voz de Waters. Detalhe para a capa, baseada no famoso afresco de Michelangelo.

Buddy Guy e Junior Wells - Play The Blues …

Esse disco, que tem entre seus produtores Eric Clapton, é uma obra-prima do blues elétrico, lançado em 1972. Petardo bluseiro com direito a solos do Snowhand, o álbum mostra a força de uma das maiores duplas da história do blues. O tipo do disco que você põe no aparelho de som e só o tira quando a última faixa acaba!

OBS: Há uma versão do disco, lançada em 2010 em CD duplo, com várias faixas bônus de gravações que não entraram no disco original!

Vários - Hound Dog - A Tribute

Hound Dog Taylor não alcançou o estrelato que outros bluesmans, como B. B. King e Muddy Waters alcançaram. Mas o cara se notabilizou pelo uso alucinado da slide guitar. O álbum em questão se trata de um tributo da pesada, lançado pela Alligator em 1997. Pelo time que participa do disco dá para se ter uma ideia da força de Hound Dog: Luther Allison, Gov’t Mule, Elvin Bishop, Bob Margolin. Não dá pra dizer qual canção se destaca... Um disco avassalador, arrasa-quarteirão!

Willie Dixon – I am The Blues

O baixista Willie Dixon foi um homem de confiança dos irmãos Chess, donos na lendária gravadora de Chicago. E não por acaso, já que Dixon exercia várias funções na gravadora, como as de arranjador e produtor musical. Mas foi como compositor que se notabilizou no mundo do blues. É de autoria dele canções icônicas de Muddy Waters ("Hoochie Coochie Man") e Howlin’ Wolf ("Spoonful") e outras como "I can’t quit you baby" e "You shook me" que foram gravadas pelo Led Zepellin e "The Red Rooster" (gravada pelos Stones). O álbum em questão "I am the Blues", lançado em 1970, mostra Dixon interpretando suas próprias composições. Clássicos absolutos!


Vários – The Blues - Volume 2

Lançada no início da década de 1990, essa é uma das muitas ótimas coletâneas editadas pela Movie Play, série Roots. O disco em questão, com 25 faixas, é um excelente apanhado do blues, notadamente o Chicago blues. Nomes como Muddy Waters, Little Walter, B. B. King, Sonny Boy Williamson, Otis Spann, Willie Dixon, Buddy Guy e Otis Rush figuram essa coletânea-pedrada. Fora de catálogo, é preciso um pouco de sorte para encontrá-la em algum sebo (mas vale o esforço)!


Anderson Lobo (poetaandersonlobo.blogspot.com.br/)
Tecnologia do Blogger.