Derek and The Dominos - Layla and Other Assorted Love Songs (Review)


Eric Clapton foi quase um nômade durante o final dos anos 60 e inicio dos 70. Desde sua saída do Yardbirds, tocou com o John Mayall & the Bluesbreakers, fundou o Cream (onde lançou grandes sucessos, encontrados até hoje em seu repertório), se apresentou com o Blind Faith e, depois de lançar um disco solo, fundou uma nova banda. A fim de afastar o "estrelismo" a nomeou Derek and the Dominos, de forma que fosse “mais um musico da banda” e não que a banda fosse a banda do Eric Clapton.

Clapton antão reuniu ex-integrantes da banda que usava como banda de apoio, a Delaney and Bonnie and Friends. Esta reunião resultou em um disco duplo, recheado de melancolia devido à vida amorosa de Clapton (então apaixonado por Pattie Boyd-Harrison, esposa de seu amigo próximo, George Harrison.) e suas experiências com drogas e álcool.

O álbum tinha tudo por si só para dar certo, mas ganharia muito mais com a contribuição de Duane Allman. Diferentes são as teorias sobre como Clapton teria conhecido Duane, alguns afirmam que foi resultado de um encontro promovido pelo produtor Tom Dowd, outros dizem que Clapton teria ouvido a versão de Hey Jude gravada por Wilson Pickett na Atlantic Records – gravadora onde Duane era guitarrista residente – e teria insistido para conhecer o guitarrista que teria gravado aquela faixa. O motivo que levou Clapton a convidar Duane para a gravação não importa, o fato é que o Slide do Sky Dog mudou o álbum por completo.

A primeira faixa é "I Looked Away", uma linda canção de amor perdido – tema mais que corriqueiro no álbum – com uma pequena mistura de country e blues em uma melodia suave. Em seguida vem "Bell Bottom Blues", uma canção triste com uma linha fina entre a tristeza e a raiva e com um arranjo magnífico – não se pode esperar menos de Clapton. A atração principal nessa musica não é a guitarra, mas sim a sua letra que até hoje leva os fans do Clapton a cantarem juntos. Diferentemente das anteriores, "Keep on Growing", a terceira canção, traz uma pegada um pouco mais alegre com riffs diferentes, solos mais acelerados e uma letra com um olhar mais positivo sobre situação do amor impossível: "Maybe, Someday baby, who knows where or when, Lord, Just you wait and see. We'll be walking, Together hand in hand, along forever; Woman just you and me."

A quarta faixa, "Nobody Knows You When You’re Down and Out", é a primeira trazendo a guitarra do Duane Allman. Um blues carregado, sobre a dificuldade de se encontrar um bom amigo nos momentos difíceis. O slide do Sky Dog enche a musica tornando "Nobody Knows You When You’re Down and Out", (na minha opinião) uma das melhores canções do álbum. "I Am Yours" vem em seguida. Em contraste com as canções anteriores, ela tem uma pegada acústica, não apresenta bateria e sim uma percussão ao fundo, sua base é tocada em um violão (acredito que seja um 12 cordas). Mas o principal diferencial dela é que, o que da corpo a essa faixa não é a guitarra do Allman, mas sim o tecladista Bobby Whitlock, o órgão forma uma atmosfera singela e muito gostosa. Assim como Keep on Growing, "Anyday" – a musica numero 6 – apresenta uma letra mais esperançoso e um instrumental mais acelerado. E mais uma vez, a guitarra do Duane Allman – com seu curto solo aos 3:03 – se faz inconfundível. Todo fan de Allman Brothers deveria ouvir esse álbum ao menos uma vez, essa faixa mostra Duane no seu melhor! Em seguida vem "Key From the Hightway", um dos clássicos mais clássicos do blues. Provavelmente essa faixa foi fruto de alguma sessão de improviso, os famosos Jams sessions, muito recorrentes no Derek and tthe Dominos.

"Tell the Truth" é a nona musica do álbum e é uma canção que, se não fosse pelo seu refrão, poderia facilmente ser encaixada no Pronounced do Lynyrd Skynyrd. Sua intro (ao menos para mim) lembra muito os riffs do Ed King e Allen Collins e o slide do Allman (influência direta para Gary Rossington) dão a "Tell the Truth" um ar um tanto “Honky Tonk”. A melodia de "Why Does Love Got to Be So Sad" certamente não condiz com seu titulo, a faixa que carrega o nome mais sugestivo do álbum e justamente a mais alegre e o solo mutuo de Allman e Clapton dão uma ferocidade a canção que vai perdendo ritmo até terminar em um solitário bend. "Have You ever Loved a Woman" é onde talvez (com exceção da musica titulo) as guitarras de Allman e Clapton trabalhem melhor juntas. Os solos sequências formando quase um confronto tornam esse blues uma aula de guitarra, é quase impossível, você guitarrista, ouvir isso e não ter vontade de largar o que esta fazendo e ir tocar um pouco.

Eric Clapton tinha conhecido Hendrix na Inglaterra, virando muito fan dele enquanto ainda tocava no Cream. A morte do guitarrista americano em setembro de 1970 – no mesmo período em que o álbum estava sendo gravado – tocou Clapton, que então acrescentou "Little Wing" (tida por muitos como a canção mais bonita de Hendrix) ao "Layla and Other Assorted Love Songs", o que só enriqueceu o álbum já que o riff das guitarras e o vocal louco com alguns gritos quase histérico fazem dessa versão única. "It’s Too Late" vem com uma pegada country, uma balada triste com letra levemente repetitiva mais uma vez sobre um amor distante e perdido.

Apesar da qualidade do disco, é a faixa titulo que o carrega nas costas. "Layla" é uma mistura rara de raiva, amor, desespero e esperança construída na base de muito rock’n roll. Há quem diga que no principio, a musica foi composta como uma balada (eu acredito que seria algo semelhante à versão acústica do unplugged de 92) mas quando Duane Allman acrescentou o riff inicial ficou simplesmente impossível daquilo se manter como uma balada. Layla chegou à sétimo lugar nas paradas. Um blues-rock tomado pelo slide louco do Sky dog que hora chega a descer pra entre os captadores. O produtor Tom Dowd, famoso pelo seu mal humor, teria saído do estúdio dizendo: “Esta porra é o melhor disco que fiz em 10 anos”. O fato é que este encontro entre Clapton e Allman produziu uma musica que entraria para historia do rock’n roll, pela sua historia por trás da letra (que merece atenção) e pelo seu instrumental que é basicamente dividido em dois atos, o blues rock intimidador e o final com o piano dando terreno para as guitarras lamentarem juntas, um final memorável. A ultima coisa a se ouvir dessa faixa é o “Bird call”, técnica desenvolvida por Duane Allman que se ouve perfeitamente aos 06:58.

A ultima faixa é "Thorn tree in the garden". Com um ar calmo e um dedilhado singelo a musica se torna quase uma canção de ninar.

O Derek and The Dominos não duraria muito, lançaria mais uns discos e só, mas o legado de "Layla and Other assorted Love Songs" se mantém até hoje. E, embora tenha sido rejeitado pelos críticos da Rolling Stone em seu lançamento, o álbum é tido hoje como um clássico, uma perola na magnífica historia do rock.
Tecnologia do Blogger.