The Outlaws - It's About Pride (Review)

"It's About Pride" é o décimo primeiro álbum de estúdio do The Outlaws, lançado no dia 02 de junho de 2012. O DVD "Hidin' Out in Tennessee" foi lançado no mesmo dia, com bastidores das gravações de "It's About Pride".

Depois de uma longa espera, eis o mais novo álbum da lendária banda The Outlaws, "It's About Pride", um dos mais esperados álbuns de Southern Rock do ano (O álbum do ZZ Top e o do Blackfoot com Rickey Medlocke também fazem parte dessa lista!). Henry Paul foi a Roselle, em New Jersey, para participar da festa de lançamento do álbum. O evento foi realizado no clube Central Park. Henry subiu ao palco executando as versões acústicas de "Cold Harbor" e "So Long" intercaladas com algumas histórias engraçadas do The Outlaws. O restante da festa ficou por conta da The Southern Steel Band, que animou a festa com vários covers clássicos, como "Southbound" do Allman Brothers, "Highway Song" do Blackfoot e "Gator Country" do Molly Hatchet, assim como outras canções, inclusive do The Outlaws. Agora vamos falar do álbum "It's About Pride" (Hell Yeah!).

A obra sonora abre com "Tomorrow's Another Night" nos remetendo a uma viagem aos primeiros álbuns do The Outlaws, tipo de canção pra cair na estrada, com um refrão que nos leva cantar alto e um ataque de cordas feito por três guitarras, uma marca registrada da banda. A próxima faixa "Hidin' Out In Tennessee" leva o nome do DVD, é o tipo de canção que enaltece o que há de bom no Sul, um Southern Rock com boas doses de guitarra Country, solos nervosos. A faixa-título "It's About Pride" surge com um andamento mais lento, Dave Robbins fazendo belos arranjos. A meu ver, a letra relata o que é o The Outlaws, sobre o que a banda representa, e orgulho deles serem quem são. O final da música é a lá "Free Bird", com aquela tempestade de solos de guitarra, uma bela canção.

Em "Born To Be Bad" o vocal fica por conta de Chris Anderson, com um timbre de voz mais pro Hard Rock. Os riff's ganham aquele drive e pegada bem ZZ Top, deixando o álbum ainda mais interessante de se ouvir. Na sequência "Last Ghost Town" e "Nothin' Main About Main Street" são duas músicas com uma temática lírica distinta, mas ambas com uma levada agradável, de nos fazer aumentar o som e se orgulhar do som que estamos ouvindo. A faixa "Last Ghost Town" seria gravada no disco do Billy Crain, mas Henry Paul gostou tanto, que pediu para que a canção entrasse no álbum do The Outlaws. A canção "The Flame" é uma homenagem a Hughie Thomasson, Flame era o seu apelido. Uma letra de arrepiar a alma, o que me leva afirmar que algumas pessoas são imortais, a música imortaliza, e Flame sempre estará vivo, você pode senti-lo ao ouvir The Outlaws, e pode vê-lo imortalizado na história do Southern Rock.

Se for cair na estrada, a trilha sonora fica por conta de "Trail Of Tears" sendo mais uma canção na voz de Chris Anderson, ótima por sinal. A tempestade de licks guitarrísticos retorna em "Right Where I Belong" um ótimo trabalho de Billy Crain e Chris Anderson, que somado a Henry Paul surge uma chuva de solos. Adoro quando ouço um riff sendo acompanhado por outro uma 8ª acima. A suave "Alex's Song" é cantada por Randy Threet, algo como um Southern Rock com uma levada mais pro Country, mais uma bela canção. A última faixa inédita é "Trouble Rides A Fast Horse" Southern Rock puro, com riff's cadenciados, solos transbordando feeling, e uma letra bem western.

A faixa "So Long" pra quem acompanha a carreira solo de Henry Paul sabe que ela pertence ao seu primeiro álbum, "Grey Ghost" lançado em 1979. Henry Paul, a pedidos de um amigo chamado Brian Phillips, resolveu regravá-la, o motivo seria o apelo comercial significativo, e também pra imortalizar esse clássico na história do The Outlaws.

A espera por esse álbum valeu a pena, "It's About Pride" foi além do que eu esperava. Eu esperava um álbum mais individual, com algumas músicas soando The Outlaws, outras Henry Paul Band e Billy Crain, o que também não seria ruim, já que gosto do trabalho feito por Paul e Crain. Mas o que temos aqui é um álbum bem The Outlaws, do começo ao fim, infelizmente sem Hughie Thomasson nas guitarras, mas estou e fiquei super satisfeito com o trio de guitarras deste álbum, três grandes guitarristas. Henry Paul e Monte Yoho são os dois últimos The Outlaws da formação original, e assim como os outros novos integrantes dedicaram este álbum em memória de Hughie Thomasson, Billy Jones e Frank O’Keefe. Recomendo, repito: A espera valeu a pena, é hora de aumentar o volume do seu som e ouvir The Outlaws, uma das lendas do Southern Rock.

Escrito por Augusto Monteiro e publicado originalmente na Taberna do Putardo.
Tecnologia do Blogger.