Rebel Meets Rebel - Rebel Meets Rebel (Review)


"Rebel Meets Rebel" é o primeiro e único álbum do projeto paralelo, Rebel Meets Rebel, dos três integrantes da lendária Pantera, Dimebag Darrell, Rex Brown e Vinnie Paul, juntos ao lendário vocalista de Outlaw Country, David Allan Coe. O álbum auto-intitulado foi gravado entre 2001 e 2002, mas só foi lançado em 02 de maio de 2006, pela Big Vin Records, dois anos após o assassinato de Dimebag Darrell. Todas as músicas foram escritas por David Allan Coe. O álbum alcançou a 38° posição na Billboard 200 e a 3° posição na Top Independent Albums. A Allmusic deu merecidamente 4 estrelas, e na primeira semana em que ele foi lançado, vendeu mais de 30 mil cópias só nos Estados Unidos.

Review faixa a faixa:

1 - "Nothin' to Lose" - A primeira faixa é uma cacetadora porrada na orelha. Riff's vigorosos como os apresentados na banda Pantera, mesclados a um vocal bem Outlaw Country, mas com uma levada super mais pesada. Podem preparar suas cervejas, pois isso aqui tá só começando!

2 - "Rebel Meets Rebel" - Essa música era para existir um dueto entre Allan Coe e Phil Anselmo, mas isso não aconteceu. É uma música com uma levada "Hellbilly", algo meio que hillbilly bem metal. Os backing vocals do Dimebag Darrell dão mais vida ainda na canção, e o solo lembra bem aqueles ouvidos na Charlie Daniels Band. Música pra REDNECK!

3 - "Cowboys Do More Dope" - Uma introdução meio que boogie-woogie, seguida de um riff com uma levada country bem pesada, ou seja, um puro Southern Metal. Dimebag Darrell executa seus incríveis solos, técnicos e com muito feeling. Perfeita música, é de nos deixar extasiado, impressionado e batendo cabeça!

4 - "Panfilo" - Lembra aquela pegada dos Mariachi. É um instrumental de violão, que acaba se tornando uma passagem pra próxima música.

5 - "Heart Worn Highway" - Essa música tem uma levada bem Gov't Mule, só que bem mais pesada. Dimebag Darrell está exalando feeling do começo ao fim, muitos clichês e solos tecnicamente matadores. Mais uma ótima música!

6 - "One Nite Stands" - Mais uma vez podemos sentir o poder do Hellbilly, Outlaw Country e do Southern Metal cacetando maravilhosamente nossos ouvidos. Uma ótima música, com ótimos solos. Música pra pisar o pé e voar alto!

7 - "Arizona Rivers" - É uma música com uma levada cadenciada, lembra "Planet Caravan" da banda britânica Black Sabbath, só que com um final bem country. Outra canção que acaba se tornando passagem para próxima música.

8 - "Get Outta My Life" - Uma puta d'uma porrada na orelha. O refrão ganha participação do insano Hank Williams III. Uma levada Outlaw Country pesadíssima, com guitarras bem pegadas e solos nervosos. Música pra beber, bater cabeça e pisar fundo numa auto-estrada!

9 - "Cherokee Cry" - Uma letra que pede os direitos e a dignidade que os índios Cherokee mereciam. Dimebag Darrell e seus riff's e solos incríveis. Sim, é mais uma perfeita música!

10 - "Time" - Um Southern Metal de grosso calibre. "Cowboys From Hell on the radio, turn it up now just as loud as it will go". Isso já diz tudo sobre a canção!

11 - "No Compromise" - Riff's cadenciados, que de uma hora pra outra tornam-se rápidos, precisos e esmagadores. O solo da música tem a mesma técnica da música "Cemetary Gates" um harmônico natural seguido de uma alavancada poderosíssima. Outra fantástica música!

12 - "N.Y.C. Streets" - A última música nos faz sentir o clima feliz e espontâneo que rondava as gravações deste álbum. Uma levada acústica, suave e bem cadenciada. A letra é meio que falada e cantada, uma ótima interação. David Allan Coe aparece com uma voz (provavelmente sobrecarregada por doses e mais doses de um bom e velho Jack Daniels). Dimebag Darrell aparece solto, e exalando muito feeling, notas felizes. Uma ótima e perfeita música pra encerrar um ótimo e perfeito álbum!

Não vou fazer uma resenha que expresse o meu sentimento de tristeza (pelo fato do assassinato de Dimebag), pois assim eu estragaria o sentimento de felicidade que o próprio exala neste álbum. Dá para sentirmos em cada riff e em cada solo a sua alegria, sua felicidade de está fazendo aquilo que mais gostava, a música "N.Y.C. Streets" fala por mim. Vejo este álbum como algo surpreendente, raro, único e com "N" valores positivos. Esse é o tipo de álbum que apesar de ser único, ele será ouvido várias vezes e nunca será do tipo esquecido, ou que será jogado numa gaveta. A Rebel Meets Rebel foi formada por grandes músicos, o resultado é esse, um grande álbum com perfeitas canções. Se você ainda não ouviu, abasteça sua geladeira com cervejas e recupere o tempo perdido.

Escrito por Augusto Monteiro e publicado originalmente na Taberna do Putardo.
Tecnologia do Blogger.