Desperados - The Dawn Of Dying (Review)


"The Dawn Of Dying" é o primeiro álbum de estúdio da banda de Western Metal Desperados, lançado em 2000, pela Drakkar Records.

Review faixa a faixa:

1 - "The Beginning" - A faixa que abre o álbum é uma introdução com sonoplastia que dura 33 segundos.

2 - "As A Judgement" - É uma continuação da primeira faixa.

3 - "Gomorrha Of The Plains" - Apesar do título bem 'Black Metal', não é nada disso, é uma música pesada, riff animalesco, um solo nervoso, mas tudo regado por clichês de Western, definindo bem o estilo da banda.

4 - "The Dawn Of Dying" - Western Metal puro, você se sente em um tiroteio de verdade, com riff's de grosso calibre, Angelripper conduzindo a 'orquestra' com seu vozeirão e Alex Kraft com seus solos nervosos.

5 - "My Gun And Me" - A faixa continua mantendo o Western Metal com muita competência, uma música altamente agradável, a alternância de voz entre Angelripper e Alex dá um toque maior de perfeição, é uma das minhas músicas preferidas, bem Velho-Oeste.

6 - "Gone With The Wind" - Riff's mais calibrados, harmônicos artificiais precisos, dosadamente pesados e um solo técnico com muito feeling.

7 - "Rattlesnake Shake" - Uma faixa muito parecida com a anterior.

8 - "(Ghost) Riders In The Sky" (Stan Jones) - O cover de Stan Jones, ganhou sua versão Hillbilly Porch de grosso calibre, é algo fora do comum, muito original, essa música é um clássico, qualquer interpretação merece respeito.

9 - "Devil's Horse" - Mais uma cacetada na orelha, riff's pesadamente acelerados que passeiam perfeitamente pela sonoridade Western, mais uma ótima música, provando o talento e criatividade de Alex Kraft.

10 - "Jumpin' Down The Running Train" - A faixa mistura um pouco da sonoridade Hillbilly, com Blues Texano, Country Metal que se mescla ao som definido pela banda como Western Metal, o resultado final é mais uma cacetada sonora de altíssima qualidade.

11 - "Dodge City" - A faixa se mantém pesadamente num Western Metal, regado por harmônicos artificiais bem executados e um riff's calibradíssimo.

12 - "Desperados" - A faixa se arrasta numa balada acústica, algo bem suave e agradável aos ouvidos, não tirando a qualidade do álbum, tudo por ter um final bem mais pesado e um solo viceral, Alex Kraft é um monstro nas 6 cordas.

13 - "The End" - Apesar de não ser a última faixa, "The End" traz de volta o peso, sonoplastia de tiroteio e um instrumental bem ópera, bem 'final' mesmo.

14 - "Oriental Saloon" - Um Cowpunk meio que Hillilly Porch e com um pouco de Bluegrass, música com clima bem divertido, assim como a letra, ótima pra fechar o álbum e nos fazer repeti-lo mais algumas vezes.

Créditos: @AugustoMTRs
Tecnologia do Blogger.