Grateful Dead - Biografia (1981 - 1995)

by taishikanakerashii

Leia primeiro Grateful Dead - Biografia (1965 - 1970)Grateful Dead - Biografia (1971 - 1975) e Grateful Dead - Biografia (1976 - 1980)

Em 1981 o Grateful Dead lançou o álbum duplo ao vivo intitulado "Reckoning". Ele é composto por material acústico gravado ao vivo em setembro e outubro de 1980. Algumas das faixas são versões encurtadas das versões apresentadas ao vivo. O álbum alcançou a 43° colocação na Billboard Pop Albuns e a faixa "Dire Wolf", a 37° colocação na Biilboard Mainstream Rock.

Ainda em 1981 a banda teve outro material ao vivo lançado, "Dead Set". O álbum contém material gravado ao vivo entre setembro e outubro de 1980 em diversos locais. "Dead Set" é essencialmente o irmão elétrico de "Reckoning", acústico: ambos os álbuns foram gravados na mesma série de shows. Os álbuns deveriam ter sido lançados juntos, mas devido ao tamanho das faixas do "Dead Set", foi decidido que ele deveriam ser lançados de separadamente. O álbum alcançou a 29° colocação na Billboard Pop Albuns.

Após o lançamento de "Dead Set", o Grateful Dead, passou por um hiato de seis anos sem lançar nenhum material. 

Tudo estava bem até 1985, quando Garcia foi preso por estar usando cocaína no Golden Gate Park em San francisco. Em 1986, Garcia entrou em colapso, devido ao seu vicio em heroína, e chegou perto da morte quando ele entrou em coma diabético. 

No dia 6 de julho de 1987 é lançado "In The Dark" e, o álbum, se tornou uma grata surpresa, alcançando a 6° colocação na Billboard 200 e seus singles foram muito bem sucedidos. A faixa "Touch of Grey", tornou-se o único single da banda a alcançar o topo da Billboard. A faixa se saiu muito bem em três charts da Billboard: Mainstream Rock Tracks (1°), Billboard Hot 100 (9°) e Adult Contemporary (15°). Outros três singles do álbum figuraram na Billboard Mainstream Rock Tracks: "Hell in a Bucket" (3°), "West L.A. Fadeaway" (40°) e "Throwing Stones" (15°). Em apenas 72 dias o álbum já havia vendido mais de um milhão de cópias, um recorde para o Grateful Dead.

A maioria das canções lançadas em "In The Dark", tinham sidos tocadas pelo Grateful Dead entre 1982 e 1983, o que lhes deu uma vantagem de cinco anos para aperfeiçoar essas canções para este álbum. "In The Dark" alcançou a maturidade que a critica esperava encontrar em "Go To Heaven", e a mesma que criticou "Go To Heaven", não poupou elogios para "In The Dark".

O título do álbum representa a forma como a banda compilou o álbum. O Dead ficou conhecido pela sua busca do som "perfeito", bem como seus episódios experimentais. O Dead sempre foi elogiado por suas performances ao vivo, então eles decidiram tentar capturar um som "híbrido" ao vivo para este álbum.

A banda decidiu gravar as faixas de base para o álbum em um teatro escuro que estava vazio (sem público), em um palco com a mesma iluminação que usariam em turnê (apenas para ter a performance da banda em uma configuração mais confortável, familiar). Eles, então, trouxeram estas faixas gravadas para o estúdio e, em seguida, se necessário, fariam overdubs.

Mas esse sucesso não durou muito tempo. 

Em 1989 o Grateful Dead lançou um álbum em conjunto com Bob Dylan. "Dylan and the Dead" é composto por sete canções escritas e cantadas por Dylan, com o acompanhamento do Dead. O álbum foi produzido por Jerry Garcia e John Cutler. "Dylan and the Dead" foi gravado em 1987, durante uma turnê bem-sucedida de mesmo nome. O álbum vendeu bem, alcançando a 36° na Billboard 200, mas algumas criticas não são nada agradáveis. Stephen Thomas Erlewine em seu review para o AllMusic"Dylan and the Dead" "é um documento triste, desanimador".

"Built to Last" foi lançado em outubro de 1989 e, assim como o lançamento anterior, é desanimador. William Ruhlmann em seu review para o AllMusic diz:

Supostamente, o Dead tinha quebrado o trauma com os estúdios com "In the Dark" e, finalmente, aprenderam a fazer bons álbuns sem uma platéia na frente deles. Então, por que esse acompanhamento como uma decepção? Talvez porque não tivessem tido sete anos para escrever o novo material [...] O compositor dominante aqui foi o tecladista Brent Mydland (que morreu no ano seguinte), enquanto a equipe de compositores, Garcia e Hunter, contribuíram em apenas pequenos trechos. 

"Build to Last" confirma um fato óbvio: "In the Dark" foi uma excessão na discografia de álbuns gravados em estúdio pelo Grateful Dead. Resumindo, o último álbum de estúdio do Grateful Dead foi um fracasso.

Em abril de 1989 houve 55 prisões (principalmente por porte de drogas e perturbação a paz) e encontros violentos com a polícia em dois shows em Pittsburgh; e 70 prisões e relatórios de vandalismo por fãs mortos em três shows em Irvine, Califórnia,. Em outubro de 1989 um estudante universitário morreu após ter quebrado o pescoço, em dezembro daquele ano um fã de 19 anos de idade morreu de overdose de LSD, enquanto estava sob custódia policial, um fã morreu por embriaguez no Fórum LA (a autópsia relatou compressão do pescoço durante contenção, mas a polícia foi inocentada de qualquer irregularidade). Como resultado, o Grateful Dead fez um anúncio público implorando para que os Deadheads agissem com mais responsabilidade.

Em 1990 o Grateful Dead lança mais um álbum ao vivo, "Without a Net". O lançamento foi feito em homenagem a Brent Mydland, tecladista da banda que morreu de overdose no mesmo ano do lançamento do álbum, sendo o terceiro que morreu na banda.

Em 1992, Garcia foi novamente hospitalizado, com diabetes e cardiomegalia (Aumento do coração, geralmente indicado por uma proporção cardiotorácica acima de 0,50. O aumento do coração pode envolver os ventrículos cardíacos direito, esquerdo ou os átrios do coração. A cardiomegalia é um sintoma não específico observado em pacientes com insuficiência cardíaca ou formas graves de cardiomiopatias.), forçando o Dead a adiar sua próxima turnê. A retornou ás atividades, assim que Garcia parecia melhor. Naquele mesmo ano, Garcia - cujas pinturas haviam sido expostas pelo mundo - lançou uma linha de gravatas de seda. Até então o catálogo enorme de mercadorias do Dead incluia esquis e snowboards, bem como T-shirts e até uma linha de roupas da criança, bem como uma linha crescente de reedições em CD de concertos ao vivo. 

As turnês continuaram a acontecer, mas Garcia já não era o mesmo. Seus médicos lhe haviam imposto uma rígida dieta e proibiram o consumo de cigarro. A turnê que ocorreu entre 1994-95 gerou $ 52 milhões para a banda. Em 1995, o Grateful Dead foi introduzido no Rock and Roll Hall of Fame.

Em 09 de julho de 1995, Jerry Garcia tocou seu último show com o Grateful Dead. Um mês depois, ele morreu dormindo em Serenity Knolls, um centro de reabilitação onde ele tinha sido internado para combater seu vício em heroína. A causa da morte foi relatada como um ataque cardíaco. Pouco tempo depois, as bandeiras foram hasteadas a meio mastro no San Francisco City Hall para marcar a passagem de uma era. Garcia deixa quatro filhas e sua terceira esposa, Deborah Koons Garcia, com quem se casou no ano anterior. Quatro meses depois, a banda aposentaria oficialmente. 

O Grateful Dead deixou de existir, mas o seu legado ainda está vivo. A desintegração da banda, gerou outras maravilhas para a música, como: Ratdog, Phil Lesh and Friens, The Dead, e a melhor, Furthur. A banda influenciou toda uma geração de bandas e deu vida ás Jam Bands. Phish e Dave Matthews Band, são apenas duas das milhares de bandas formadas por Deadheads e apaixonados pelo Grateful Dead.

O Grateful Dead é uma instituição da música e mesmo tendo lançado apenas um álbum relevante, do ponto de vista da critica, a banda conseguiu vender mais de 24 milhões de álbuns (inclui vídeos) nos EUA. Imaginem se eles tivessem tido mais álbuns de estúdio bem sucedidos?

Saiba mais sobre a banda:

Tecnologia do Blogger.